Há uma clássica citação de Warren Buffett que sempre me ocorre em épocas de “vacas magras”: “É só quando a maré baixa que você descobre quem estava nadando pelado.”

A desindustrialização brasileira não é nenhuma novidade. Aliás, a desindustrialização do ocidente não é nova.

Nos anos 1970, quando Phil Knight começou a produzir tênis de maneira terceirizada na Ásia, para que sua Nike pudesse competir com o quase monopólio alemão de calçados esportivos, isso era algo disruptivo. Hoje em dia, como bem sabemos, a manufatura do mundo está no Oriente.

A célebre frase de Buffett me veio à mente quando foi largamente noticiada a decisão da Ford de retirar seus parques fabris do Brasil.

Não que esse movimento fosse uma novidade, muito menos na indústria automotiva. A Mercedes já tinha tomado atitude semelhante tempos atrás. A Sony, do setor de eletrônicos, também havia decidido deixar o país, o que mostra que o fenômeno não é algo circunscrito a um setor específico.

Nesse momento, vieram à tona as discussões de sempre sobre a competitividade da indústria brasileira, nossa carga tributária, nossa produtividade etc.

Fiquei muito bem impressionado, todavia, com a ótima entrevista do professor Marcos Lisboa ao Brazil Journal. Tomo a liberdade de destacar alguns dos trechos que julguei mais marcantes:

“O problema maior é o seguinte: o desenho da política industrial do país (…) foi absolutamente equivocado e estava fadado ao fracasso. Optou-se por tentar fazer no Brasil boa parte da cadeia produtiva, sem ter escala para isso. (…) A gente tem no imaginário que indústria é a grande produção. Mas o processo de produção foi muito desmembrado ao longo do século passado. Você separou a parte de concepção e de inovação da fábrica de montagem.”

Curiosamente, todas essas reflexões surgiram com a saída da Ford. Logo a Ford, cujo sistema de produção criado por seu fundador caracteriza o fordismo. Símbolo de um tipo de indústria que aparentemente permeia o imaginário de nossos formuladores de política econômica. Um modelo claramente anacrônico. Uma manufatura do passado para solucionar um problema do futuro.

Aqui, gostaria de abrir um rápido parêntese. A indústria de hoje vive uma verdadeira revolução. É o que se chama de indústria 4.0. Sem querer me aprofundar demais no tema, a inserção das tecnologias digitais no segmento industrial tem promovido uma fusão acelerada entre compartimentos que, no passado, tratávamos separadamente: indústria e serviço.

Cada vez mais os serviços agregarão valor ao processo industrial propriamente dito. A manufatura pura e simples se tornará um processo ainda mais “commoditizado”.

Voltando às nossas reflexões sobre como podemos no Brasil estar mais próximos do espírito do nosso tempo, cabe aqui observar se, na divisão mencionada pelo professor Lisboa, deveríamos nos fixar na inovação e concepção (design) ou na manufatura.

Minha primeira reação é a de que devemos buscar um caminho intermediário e progressivo em direção ao que é mais capaz de gerar valor para empreendedores e, portanto, para o país.

Sem abandonar a manufatura em setores específicos, em que características logísticas e naturais nos favorecem, precisamos concentrar esforços na direção da inovação e concepção/engenharia.

A história dos agentes econômicos brasileiros, tão marcada pelo patrimonialismo, mas também por um empreendedorismo pujante, precisa de novas e inéditas páginas.

Em 2020, um ano de dificuldades enormes, mais de 4 milhões de empresas foram criadas em nosso país. Prova inequívoca de nossa vocação empreendedora. Transformar essa vocação num motor de inovação é talvez nosso desafio econômico mais importante.

Tomemos como exemplo a economia americana. O que faz líderes como Elon Musk serem capazes de participar da concepção de um Paypal, de uma Tesla e de uma SpaceX? Negócios tão distintos em seus setores e ao mesmo tempo tão icônicos. Tentando simplificar a resposta, os EUA têm duas características marcantes: um real capitalismo de mercado e um empreendedorismo verdadeiramente inovador.

Se não quisermos reinventar a roda, o exemplo americano nos mostra o caminho das pedras. Aliar o mercado de capitais à inventividade empreendedora parece ser mais eficaz do que contar com o dirigismo estatal para alavancar os setores econômicos.

Sendo assim, ao olhar para nossa desindustrialização, precisamos refletir se o caminho não passa por despertar os instintos liberais de nossos empreendedores. Pensar se devemos incentivar a instalação de manufaturas e a verticalização insensata da produção, ou se devemos fomentar a pesquisa e a inovação.

Em fevereiro de 2021, bateremos nosso recorde histórico de IPOs. Ao observar as empresas que encaminham sua abertura de capitais na B3, percebemos uma dominância dos setores tradicionais da economia.

Há uma forte presença da digitalização em suas atividades, mas ainda não estão presentes as indústrias do futuro. Onde estão as empresas de energia limpa? De biotecnologia? De química e agroindústria?

Se comparamos com a mesma listagem em fevereiro de 2021 na Nasdaq, para citar um exemplo, o que se verá é uma dominância absoluta de empresas de biotecnologia.

Pelo conhecimento que tenho de empresas de médio porte no Brasil, temos um sem número de empresas prontas para avançar nessa direção. Temos uma vocação muito grande e razoavelmente adormecida para o design, energias limpas, ciências da natureza e agroindústria. O complexo bioindustrial, por exemplo, que se mostrou tão relevante em tempos de pandemia, poderia se beneficiar muito de um olhar para essa direção.

O que nos falta? Os meios econômicos e talvez um pouco de organização, ambição e planejamento.

Não por acaso, o número de patentes depositadas nos Estados Unidos em 2019 foi 30 vezes maior do que no Brasil. Há quem diga que o número de patentes depositadas em um país é, atualmente, o verdadeiro termômetro de seu desenvolvimento. Sendo assim, nossa situação precisa melhorar muito. No Brasil, os maiores depositantes ainda são as universidades federais.

Isso me leva a uma entrevista recente do CEO da Moderna, na qual ele exalta o mercado de capitais americano em detrimento das agências governamentais. O esforço de desenvolvimento da vacina da Moderna somente foi possível graças ao mercado. Esse estágio só foi alcançado pela forte securitização, ou equitização, da economia americana através dos anos.

Nosso modo tradicional de investir apoiado no tripé de altos retornos, liquidez imediata e baixo risco, em função de nossas altíssimas taxas básicas de juros, sempre foi um atrofiador do mercado de capitais. Não há capitalismo de mercado sem mercado de capitais.

Se, a partir do rigor fiscal, conseguirmos perpetuar taxas de juros civilizadas no país, a associação de um mercado de capitais potente com nossa força empreendedora tem tudo para ser um importante fator que apoie a redenção não apenas de nossa indústria como de nossa economia como um todo.

A partir daí, empreendedores serão capazes de produzir unicórnios em diferentes setores da economia, inclusive na indústria, promovendo a inovação não apenas no setor de e-commerce ou financeiro, mas no setor industrial, de design, de biotecnologia, alimentos, químico, energia e muitos outros.

O empreendedorismo é, e sempre será, a verdadeira força motriz de um país capitalista. Precisamos acreditar e apostar todas as nossas fichas nessa visão.

Profissão Broker: série do InfoMoney mostra como entrar para uma das profissões mais estimulantes e bem remuneradas do mercado financeiro em 2021. Clique aqui para assistir

The post A nudez, a maré e o empreendedorismo appeared first on InfoMoney.