SÃO PAULO – O Ibovespa conseguiu ter uma sessão de recuperação nesta quarta-feira (30) após as fortes quedas das últimas sessões.

Quem ganhou destaque foram as ações da CSN (CSNA3, R$ 16,50, +7,70%), com ganhos de mais de 7% após ter a recomendação elevada pelo Credit Suisse, que ressaltou boas perspectivas para o minério de ferro, sendo seguida pelas também siderúrgicas Usiminas (USIM5, R$ 10,03, +1,83%) e Gerdau (GGBR4, R$ 20,80, +2,92%).

As ações da Vale (VALE3, R$ 59,11, +1,30%) também avançaram. Cabe destacar o movimento dos futuros do minério de ferro, que saltaram nesta quarta-feira, com o contrato de referência na China disparando 5% após um surto de coronavírus em um navio graneleiro no importante porto de Hedland, na Austrália, ter levantado temores sobre problemas na oferta.

O minério de ferro na bolsa chinesa de Dalian DCIOcv1 fechou no maior nível desde 21 de setembro, a 809 iuanes (118,88 dólares) por tonelada. Ele avançou 16,6% neste trimestre, no quarto trimestre consecutivo de ganhos.

No front corporativo, o mercado acompanha hoje o julgamento da ação sobre a venda de refinarias da Petrobras (PETR3, R$ 19,77, +0,82%; PETR4, R$ 19,61, +1,55%) sem licitação ou aval do Congresso Nacional; o julgamento pode se estender até a próxima sessão.

Segundo informações da Reuters, o governo Jair Bolsonaro montou uma operação envolvendo figuras do primeiro escalão para tentar assegurar uma vitória da Petrobras. O movimento parece que ajudará no resultado do julgamento, que deverá ter placar apertado a favor do governo, segundo três fontes com conhecimento do assunto ouvidas pela agência (veja mais no vídeo acima).

O IRB (IRBR3, R$ 7,49, +2,46%) também teve uma nova sessão de ganhos. O ressegurador recebeu o rating de crédito “brAAA” da Standard & Poor’s, com perspectiva estável.

Entre fortes altas, atenção ainda para RD (RADL3, R$ 23,42, +6,79%) após a companhia anunciar o lançamento de um marketplace de saúde, dentro de um plano para acelerar seus negócios com maior uso do comércio eletrônico, que disparou na esteira da pandemia da Covid-19.

Em apresentação a analistas e investidores, a companhia afirmou que o marktplace marcará sua entrada em mais nichos de produtos e serviços próprios e de terceiros ligados a saúde, incluindo alimentação saudável e suplementos. O canal também terá testes e exames e serviços como telemedicina.

Além disso, a empresa também informou a previsão de abertura de 240 lojas por ano entre 2021 e 2022. Segundo a RD, as projeções se baseiam na experiência passada da empresa, tendo em vista sua estratégia de expansão e sua capacidade financeira para suportar investimentos.

A sessão também marcou a estreia das ações da Boa Vista (BOAS3, R$ 14,51, +18,93%) na B3. Confira os destaques:

Boa Vista (BOAS3, R$ 14,51, +18,93%)

As ações da Boa Vista estrearam na B3 em alta. A oferta inicial de ações (IPO) da empresa foi precificada a R$ 12,20, com a captação de R$ 2,17 bilhões.

A Boa Vista é uma empresa de informações de crédito, além de administradora de banco de dados e transações entre empresas, fundada em 2010 pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

No mesmo ano, a Associação Comercial do Paraná, o Clube de Diretores Lojistas do Rio de Janeiro e a Câmara de Dirigentes Lojistas de Porto Alegre compraram uma fatia equivalente a 6,9% no capital social da empresa.

No final de outubro daquele ano, o TMG Capital, fundo de private equity, comprou participação equivalente a 25% que foi elevada para 30% posteriormente, assumindo a liderança e gestão. Em 2017, um sistema para minimizar custos e compartilhar dados com parceiros estratégicos, foi implantado.

Além da Boa Vista, o mercado é explorado no país pela líder do setor, Serasa Experian, e pela Quod, cujos sócios são os cinco maiores bancos brasileiros.

O processo de abertura de capital ocorreu depois da entrada em vigor da reforma do cadastro positivo no Brasil. Através dele, todas as pessoas farão parte de um sistema unificado de histórico de crédito – exceto se exigirem exclusão.

A Boa Vista teve alta da receita entre 2015 a 2019, com uma taxa composta de crescimento anual (CAGR) média de 9%.

Petrobras (PETR3, R$ 19,77, +0,82%; PETR4, R$ 19,61, +1,55%)

O Supremo Tribunal Federal (STF) julga hoje uma ação que busca impedir a venda de refinarias da Petrobras sem licitação ou aval do Congresso Nacional. Está em jogo o plano da estatal de privatizar oito unidades de refino, que integram uma lista de ativos para desinvestimento. A Petrobras vem cortando investimentos e saindo de negócios de diferentes áreas, com o objetivo de reduzir sua dívida e focar esforços no pré-sal. Confira o que esperar clicando aqui. 

Atendendo a um determinação do Conselho Administrativo de Defesa da Concorrência (Cade), a Petrobras afirmou que vai renunciar à totalidade das capacidades de entrada dos pontos de recebimento de São Sebastião do Passé e de São Francisco do Conde, na Bahia, enquanto durar o arrendamento do Terminal de Regaseificação de GNL na Bahia.

Além disso, a empresa informou o início da fase não-vinculante referente à venda de suas participações no Polo Norte Capixaba, no Espírito Santo.

Lojas Americanas (LAME4, R$ 28,39, +0,07%)

A Lojas Americanas vai emitir US$ 500 milhões em bonds, por meio de sua subsidiária com sede em Luxemburgo, a JSM Global. Segundo a empresa, a intenção inicial era emitir US$ 350 milhões, mas condições favoráveis de mercado e a demanda dos investidores motivaram a o aumento do valor. Os bonds vão pagar remuneração de 4,75% ao ano, e o prazo dos títulos é de dez anos.

CSN (CSNA3, R$ 16,50, +7,70%)

O Credit Suisse elevou a recomendação da CSN para Outperform (acima da média do mercado) e manteve a Vale como sua top pick no setor de mineração devido à sua valuation mais atrativa. No momento, a Vale opera a um múltiplo de 2 vezes EV(Valor da empresa)/Ebitda de 2021, enquanto a CSN opera a 3,9 vezes. Ou seja, a CSN está mais valorizada. O preço-alvo das ações também foi elevado de R$ 11,50 para R$ 19, o que configura um potencial de valorização de 24% frente o fechamento da véspera.

Em relatório, o Credit explicou que o mercado de minério de ferro surpreendeu neste ano, com significativas reduções na oferta, principalmente no Brasil. Ao mesmo tempo, a recuperação da demanda por aço na China foi acelerada, causando um déficit no mercado.

Daqui para frente, a demanda firme na China deve manter os preços elevados até 2022, de acordo com o banco. “Excedentes de oferta só serão significativos a partir de 2023”, destacou. Com isso, o preço do minério de ferro deve ser de US$ 105 por tonelada em 2021, o que permite yields de Fluxos de Caixa Livre muito “sólidos” para as ações do setor (cerca de 20%).

Camil (CAML3, R$ 12,46, +0,08%)

A Camil Alimentos aprovou uma emissão de debêntures simples, no valor total de R$ 350 milhões. A oferta será feita com esforços restritos (CVM 476), ou seja, voltada a um grupo restrito de investidores qualificados. Com valor unitário de R$ 1 mil, as debêntures pagarão 100% do CDI mais 2,70% ao ano. O prazo será de cinco anos. Os recursos serão destinados para a aquisição de arroz “in natura” diretamente de produtores rurais e/ou de cooperativas de produtores rurais, em volume correspondente a R$ 200 milhões. Os outros R$ 150 milhões serão usados para reforço de caixa.

Saneamento

O grupo BRK Ambiental, que tem entre os investidores a canadense Brookfield, venceu nesta quarta-feira o leilão de serviços de distribuição de água e esgotamento sanitário da região metropolitana de Maceió, com oferta de outorga de cerca de R$ 2 bilhões ante valor mínimo da disputa de R$ 15,1 milhões. A BRK superou outras seis ofertas, incluindo de rivais como Aegea, que ofertou  R$ 1,21 bilhão.

A empresa agora assume responsabilidade pela distribuição de água e pela coleta de esgoto de 1,5 milhão de habitantes em 13 cidades da grande Maceió.

De acordo com o Credit Suisse, a notícia é neutra para a Sabesp (SBSP3, R$ 46,80, -0,28%) e para a Equatorial (EQTL3, R$ 21,18, -1,99%) – que também estavam na disputa -, uma vez que nada muda.

Contudo, ressaltam, o mercado estava começando a precificar novos caminhos potenciais de crescimento para EQTL. “Os resultados finais devem atrair mais estados para a opção de privatização”, apontam os analistas do banco suíço.

O leilão foi o primeiro realizado desde a aprovação do novo marco do saneamento básico neste ano.

Sobre isso, a votação para análise dos vetos de Jair Bolsonaro ao marco legal do saneamento, que poderia acontecer hoje, foi adiada. Veja mais sobre a importância dos temas clicando aqui. 

Marfrig (MRFG3, R$ 15,25, +1,67%)

Depois de ter suspendido processos de habilitação de frigoríficos devido à Covid-19, a China pode retomar avais de exportação de carnes para novas unidades da América do Sul ainda neste ano, segundo a Reuters. A informação foi dada pelo presidente da operação sul-americana da Marfrig, Miguel Gularte. “São esperadas para o segundo semestre de 2020 novas habilitações para o Brasil e para a Argentina”, afirmou o executivo durante evento promovido pela XP Investimentos. A última rodada de habilitações chinesas para novos frigoríficos do Brasil ocorreu no segundo semestre de 2019.

EMAE (EMAE4, R$ 36,53, +7,00%)

O Conselho Diretor do Programa Estadual de Desestatização recomendou ao governador do estado de São Paulo que autorize a Secretaria da Fazenda e Planejamento a contratar estudos e serviços necessários à venda das ações de titularidade da Administração Pública estadual na Empresa Metropolitana de Águas e Energia (EMAE). A informação foi divulgada pela companhia em fato relevante.

Raia Drogasil (RADL3, R$ 23,42, +6,79%)

A Raia Drogasil prevê a abertura de 240 lojas por ano entre 2021 e 2022. Segundo a empresa, as projeções se baseiam na experiência passada da empresa, tendo em vista sua estratégia de expansão e sua capacidade financeira para suportar investimentos.

Segundo o Bradesco BBI, o anúncio sinaliza que a empresa pretende manter sua estratégia atual. Embora cada ano provoque uma diluição na capacidade de crescimento, é uma demonstração de que a empresa ainda tem capacidade de manter um ritmo de expansão acelerado. Em relatório, o BBI disse que não deve haver um foco de crescimento específico em alguma região. Ou seja, o avanço deve ser espalhado por todo o país. “Foi isso que ocorreu nos últimos anos e deve continuar. O banco manteve recomendação neutra e preço-alvo de R$ 23,40.

IRB (IRBR3, R$ 7,49, +2,46%)

O IRB-Brasil Resseguros informou que a agência de classificação de riscos Standard & Poor’s Global Ratings atribuiu o rating de crédito de emissor do IRB Brasil RE de “brAAA” na escala Nacional Brasil. A perspectiva é estável.

Locaweb (LWSA3, R$ 59,61, +5,88%)

A Locaweb anunciou a compra da Etus Social Network Brasil, que atua com redes sociais, por R$ 18,95 milhões. Segundo a empresa, a Etus atua por meio de um modelo de assinaturas para seus clientes. O objetivo da aquisição é oferecer um ecossistema para apoiar os clientes no processo de digitalização dos seus negócios.

Eletrobras (ELET3, R$ 30,32, +0,50%; ELET6, R$ 31,19, -0,45%)

O governo está disposto a ouvir sugestões do Congresso e fazer alterações no projeto de capitalização da Eletrobras para viabilizar o processo, afirmou ontem a secretária-executiva do Ministério de Minas e Energia, Marisete Pereira, segundo informações do Valor Econômico. De acordo com ela, a pasta está “de portas abertas” para receber parlamentares e esclarecer dúvidas sobre a privatização da estatal, que permanece entre as prioridades da agenda do governo.

Arco

O Itaú BBA afirmou que a compra da Studos pela Arco é positiva para empresa, por fortalecer o portfólio de tecnologia e inovação da empresa. A Studos Software provê conteúdo e soluções digitais de aprendizado. Além disso, segundo o BBA, a Studos tem um histórico sólido de crescimento. O BBA tem rating Market Perform (em linha com o mercado) para o papel da Arco, e preço alvo de US$ 57 para 2020.

(Com Reuters, Bloomberg e Agência Estado)

Profissão Broker: como fazer carreira na elite da bolsa da valores, mesmo saindo do zero.

The post Ação da CSN dispara 7% com recomendação elevada; RD salta com lançamento de marketplace e Vale sobe com minério appeared first on InfoMoney.