SÃO PAULO – As ações da Weg (WEGE3) abriram com ganhos que chegaram a ser superiores a 4% em meio aos resultados positivos para a companhia no terceiro trimestre. Contudo, os papéis amenizaram a alta e viraram para perdas durante a sessão, passando a liderar a queda do Ibovespa na sessão (veja a análise clicando aqui).

Quem também abriu com ganhos foi o IRB, depois dos dados apresentados sobre o mês de agosto mostrando tendência de melhora nos números e com ação civil pública extinta pela Justiça, mas a ação também passou a cair durante a tarde.

Quem registra avanços, ainda que menores com relação à abertura, é a ação da Qualicorp (QUAL3). O papel chegou a subir 11,38% após a notícia da Folha de S. Paulo de que a Rede D’Or deu entrada no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) para pedir autorização para elevar sua participação na companhia.

Em nota, a Rede D’Or informou que o pedido de autorização submetido à autarquia é para  elevar a sua participação minoritária na Qualicorp. “Destaca-se que ainda não há decisão da Rede D’Or acerca da realização da operação, e que a quantidade de ações a serem adquiridas, se assim decidido, dependerá das condições de mercado no(s) momento(s) de possível compra”, apontou.

Do setor de construção, EzTec (EZTC3) e Cyrela (CYRE3) também abriram com ganhos, mantidos pela primeira companhia, enquanto a segunda zerou. A EzTec apresentou seu guidance para o biênio 2020-2021, enquanto a Cyrela apresentou sua prévia operacional do terceiro trimestre.

A ação da Petrobras (PETR3;PETR4) cai em um novo dia de baixa para o petróleo, com os contratos futuros do brent e do WTI em baixa de mais de 3% depois que um aumento surpreendente nos estoques de petróleo dos EUA alimentou as preocupações sobre um excesso de oferta global e um aumento nos casos globais de COVID-19 alimentou temores de uma lenta recuperação da demanda de petróleo.

Quem lidera os ganhos no índice é a a ação da Braskem (BRKM5), com ganhos de quase 6%. Na véspera, a ação subiu quase 3% após o Santander elevar a recomendação para o ativo de manutenção para compra, com novo preço-alvo de R$ 28 para o fim de 2021.

De acordo com os analistas, a ação ainda não precifica os seguintes ventos favoráveis de curto prazo, o que poderia levar a resultados acima do consenso, com spreads maiores, devido a custos mais baixos da nafta, preços sólidos e uma melhora de volume.

As empresas do setor de shopping centers também avançam, com destaque para Multiplan (MULT3), Iguatemi (IGTA3) e brMalls (BRML3). O Credit Suisse destacou em relatório, após realizar conferência com o setor, que a indústria está se recuperando mais rápido do que o mercado inicialmente esperava e que investidores possam estar perpetuando um cenário pessimista demais.

“Mesmo estando alguns trimestres ainda de distância dos níveis pré-Covid em termos de fluxo de clientes, vendas e aluguéis, os participantes do evento afirmaram que os fundamentos do setor estão inalterados e que o foco em soluções de varejo omni-channel deve apoiar a volta do setor”, avaliam.

Durante o evento, Ruy Kameyama, CEO da brMalls, destacou que a companhia continua vendo o tema de fusões e aquisições como uma avenida para destravar valor, porem em conjunto com uma estratégia onde eles continuam com sua posição de dono dos shoppings de maior potencial das regiões. Para o curto prazo, o fluxo de clientes e volume de vendas estão gradualmente voltando e, mesmo com a inadimplência subindo, as taxas de ocupação permanecem controladas.

“Com os papéis descontados comparados com niveis pré-pandemia (queda de 43% no acumulado do ano), vemos que os investidores não estão olhando ou estão subestimando a dinâmica do setor no Brasil. No mais, taxas de short (posição vendida) no setor estão próximas a níveis pré-resultados do segundo trimestre, quando notávamos um movimento bem grande de investidores cobrindo suas posições vendidas com os números vindo melhores do que esperado”, avaliam os analistas.

Seguindo a forte volatilidade do mês de outubro, as ações de OSX (OSXB3) e MMX (MMXM3) registram fortes ganhos após a queda da véspera. No radar das companhias, a OSX informou que o acionista Roberto Lombardi de Barros adquiriu 264.100 ações ordinárias de emissão da empresa, de modo que passou a deter participação de 8,3894% no capital social.

“O Sr. Roberto Lombardi de Barros informou que a operação realizada não objetiva alterar a composição do controle ou a estrutura administrativa da companhia, nos termos do inciso II do artigo 12 da Instrução CVM nº 358/02, bem como declarou não estar vinculado a qualquer acordo ou contrato regulando o exercício do direito de voto ou a compra e venda de valores mobiliários de emissão da companhia”, destacou a OSX.

Confira as análises e mais destaques de empresas abaixo:

Weg (WEGE3)

A Weg, cuja ação tem a maior alta do Ibovespa no ano, viu seu lucro subir 54% no terceiro trimestre na base de comparação anual, para R$ 644,2 milhões.

A receita subiu 43,5%, a R$ 4,8 bilhões. No mercado externo — que corresponde a 57% do total da receita da companhia — a alta foi de 37,8% na base de comparação anual.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) foi de R$ 935,3 milhões, alta de 61,5% sobre o mesmo período de 2019. A margem Ebitda – ou relação entre Ebitda e receita líquida – teve alta de 2,2%, a 19,5%.

A Weg afirmou que houve melhora por equipamentos de ciclo curto, em áreas como motores comerciais, tintas e vernizes e geração solar distribuída. Também houve melhora nos negócios de ciclo longo no Brasil e no exterior, em indústrias como mineração, papel e celulose, água e saneamento, óleo e gás.

Mesmo assim, a companhia afirma que não acredita que a crise causada pela Covid-19 foi superada. “Incertezas com relação à recuperação econômica mundial ainda existem e os impactos futuros em diversos segmentos da indústria podem refletir em nossos negócios”, diz o relatório.

De acordo com o Itaú BBA, a Weg reportou números excelentes no terceiro trimestre mais uma vez, desta vez incluindo um recorde de receita, Ebitda e lucro líquido. “As tendências positivas registradas no segundo trimestre persistiram no terceiro (produtos de ciclo mais longo estáveis ​​no Brasil e no exterior, cenário cambial benigno e efeitos de ajustes operacionais) e os produtos de ciclo curto recuperaram substancialmente (mais rápido no Brasil do que no exterior). Vamos monitorar se a melhoria de ciclo curto é sustentável e acompanhar a carteira de pedidos de ciclo longo (novos pedidos desaceleraram no terceiro trimestre em equipamentos eletroeletrônicos industriais). Ainda assim, nossa opinião é positiva sobre o papel”, apontam os analistas do banco.

A empresa havia anunciado na noite de terça-feira (20) a renúncia do diretor de Finanças e Relações com Investidores da companhia, Paulo Geraldo Polezi. De acordo com comunicado, Polezi deve deixar a empresa em 13 de novembro. O cargo será acumulado temporariamente por André Luis Rodrigues, atual diretor administrativo e financeiro.

Petrobras (PETR3;PETR4

A Petrobras informou na terça-feira que a produção de petróleo no Brasil no terceiro trimestre cresceu 2,6% em relação ao mesmo período do ano anterior, para 2,952 milhões de barris. A alta foi de 5,6% frente ao segundo trimestre.

A empresa citou a “normalização da produção das plataformas que haviam sido paradas em função da Covid-19 no segundo trimestre”, e elevou sua meta de produção média para 2020, para 2,84 milhões de barris de óleo por dia.

De acordo com o Credit Suisse e a XP Investimentos, os números foram positivos, com o Credit destacou os resultados positivos de vendas de produtos, como gasolina, tendo alta de 33% na comparação sequencial e apenas um pouco abaixo (1%) frente os níveis de 2019.

Já a XP destaca: “a Petrobras forneceu um guidance de produção para 2020 de produção total de 2,84 mboed (milhões de barris de óleo equivalente ao dia) e 2,28 mbpd (milhões de barris ao dia) de produção de petróleo, que se compara às nossas estimativas de 2,90 mboed e 2,34 mbpd, respectivamente”.

A expectativa é de que o resultado do terceiro trimestre será significativamente melhor em relação ao segundo, refletindo uma elevação da produção de petróleo de 6,6% em comparação ao trimestre anterior, somada a uma maior taxa de utilização do parque de refino, estimada em 83% com base nos dados da ANP. “Além disso, evidentemente destacamos os maiores preços médios de petróleo Brent no terceiro trimestre de US$ 43,31 o barril comparados a US$ 33,29 o barril no segundo trimestre”, aponta a XP.

 

Além disso, a empresa aumenta a partir desta quarta em 5% o preço do GLP (gás liquefeito de petróleo).

 

IRB (IRBR3)

A resseguradora IRB Brasil Re informou nesta terça-feira que teve prejuízo líquido de R$ 65,4 milhões em agosto. Excluindo o impacto de negócios descontinuados, teria tido lucro de R$ 73,8 milhões.

Segundo a companhia, os prêmios emitidos atingiram R$ 697,6 milhões, mesmo nível de agosto de 2019. No exterior, o alta foi de 11,7%, enquanto no Brasil houve queda de 9,4%.

A despesa de sinistro no mês foi de 593,8 milhões de reais. O índice de sinistralidade, que mede quanto as despesas com pagamento de indenizações representou da receita, atingiu 89,6%, após ter atingido 108% no primeiro semestre. Excluídos sinistros de negócios descontinuados, o índice de agosto ficou em 56%.

Ainda de acordo com o IRB, seu resultado de subscrição foi negativo em R$ 99,3 milhões, refletindo a sinistralidade dos negócios descontinuados no valor de R$ 263,1 milhões.

No mês passado, o IRB havia reportado prejuízo líquido de R$ 62,4 milhões para julho, reduzindo o prejuízo de R$ 292,6 milhões um mês antes.

Segundo o Credit Suisse, os números foram positivos e têm mostrado melhora sequencial. A sinistralidade ficou em cerca de 90% – ou 56% excluindo as operações descontinuadas. A sustentabilidade do índice de sinistralidade continua sendo uma questão chave, avaliam os analistas.

Ainda em destaque, a companhia comunicou nesta quarta-feira que juíza da 2ª Vara Empresarial e de Conflitos de Arbitragem do Tribunal de Justiça de São Paulo extinguiu, sem resolução de mérito, a ação civil pública ajuizada pelo Instituto Ibero-Americano da Empresa contra a companhia.

A ação envolvia eventual necessidade da resseguradora apresentar garantia de R$ 1 bilhão para ressarcir acionistas devido às fortes perdas das ações da companhia neste ano.

“A referida decisão encerra a discussão judicial travada no âmbito da ACP acerca da necessidade de a companhia oferecer garantia no valor de 1 bilhão de reais”, afirmou em comunicado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

 

Qualicorp (QUAL3)

Segundo o jornal Folha de S. Paulo, a Rede D’Or deu entrada no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) para pedir autorização para elevar sua participação na Qualicorp. Há pouco mais de um ano, o grupo hospitalar se tornou o principal acionista da Qualicorp e hoje tem 12% do capital da empresa, que é a maior administradora de planos de saúde por adesão do Brasil. A companhia também vinha fazendo outras aquisições e se prepara para abrir capital.

Em nota, a Rede D’Or informou que o pedido de autorização submetido à autarquia é para elevar a sua participação minoritária na Qualicorp. “Destaca-se que ainda não há decisão da Rede D’Or acerca da realização da operação, e que a quantidade de ações a serem adquiridas, se assim decidido, dependerá das condições de mercado no(s) momento(s) de possível compra”, apontou.

Para o Credit Suisse, se confirmada, a mudança pode aumentar o interesse do mercado no papel, ainda afetado por questões de governança. No entanto, aumentaria o risco da Rede D’Or interferir no modelo comercial da companhia.

Totvs (TOTS3) e Linx (LINX3)

O conselho de administração da Totvs  prorrogou para 31 de dezembro o prazo para que a produtora de software Linx aprecie sua proposta de compra. A Linx também é disputada pela Stone .

A medida foi tomada após a Linx receber reclamações de conselheiros independentes, que acusaram o conselho de falta de imparcialidade, como vem sendo apontado por representantes da Totvs. As propostas da empresa e da Stone pela Linx giram em torno de R$ 6 bilhões.

Ofertas iniciais públicas de ações

A empresa de móveis Estok, dona da marca Tok&Stok, pediu o na terça registro para realizar sua oferta inicial. O Grupo Uni.co, dono da rede de lojas Imaginarium, e o Grupo Fartura de Hortifruti, também realizaram pedidos do tipo.

Dasa (DASA3)

A Dasa (Diagnósticos da América) (DASA3), focada no setor de exames de saúde, anunciou na terça-feira aprovou a emissão de 600.000 debêntures no valor de R$ 1.000 cada, totalizando R$ 600 milhões. A emissão dos títulos será em 20 de outubro, e a primeira série terá vencimento em 2025, e a segunda, em 2027.

Banco do Brasil (BBAS3)

O Banco do Brasil anunciou na terça que exerceu a opção de recompra de 100% dos títulos de dívida perpétuos emitidos em 2009, com cupom de 8,5% por 100% de seu valor de face.

 

Neoenergia (NEOE3)

A elétrica Neoenergia registrou lucro líquido de R$ 814 milhões no terceiro trimestre de 2020, alta de 36% ante igual período do ano passado, informou nesta terça-feira a empresa controlada pela espanhola Iberdrola.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) da companhia totalizou R$ 1,76 bilhão no período, avanço de 17% na comparação anual, cifra que a empresa disse confirmar a retomada econômica do Brasil em meio à pandemia de coronavírus.

Também citando a recuperação da economia local, a Neoenergia – que possui negócios nos segmentos de geração, transmissão e distribuição –  disse que a energia injetada pela companhia verificou aumento de 1,3% no terceiro trimestre, a 16.307 gigawatts-hora (GWh), confirmando dados preliminares publicados no início deste mês.

A empresa destacou ter recebido no último trimestre R$ 1,66 bilhão da Conta-Covid, programa de auxílio às distribuidoras de eletricidade do Brasil diante dos efeitos da pandemia, montante que contribuiu com o resultado financeiro do período com um menor saldo da dívida.

Nesse sentido, o resultado financeiro do terceiro trimestre ficou negativo em R$ 197 milhões, contra – R$ 310 milhões no terceiro trimestre do ano passado, enquanto a proporção dívida líquida/Ebitda atingiu 2,85, versus 3,33 na mesma etapa de 2019.

O Capex da empresa somou R$ 1,87 bilhão, alta de 60% no ano a ano, “em virtude do avanço dos projetos de transmissão e eólicos”.

O Itaú BBA repercutiu positivamente os resultados informados pela Neoenergia positivamente, recomendando as ações da empresa como outperform (com previsão de desempenho acima da média do mercado).

O Credit Suisse apontou que o balanço veio muito forte, impulsionado pelo controle de custos. A companhia reportou resultados regulatórios melhores que as estimativas do banco e do consenso, confirmando o bom desempenho de custos e também apoiado por fortes volumes no segmento residencial.

Os resultados de geração vieram ligeiramente piores do que o estimado pelo desempenho mais fraco de hidrelétrica, parcialmente compensado por melhores resultados dos parques eólicos, avaliam os analistas.

Já as receitas consolidadas (excluindo receitas de construção) aumentaram 2.9%.  Os custos e despesas totais caíram 2.8 % na base anual, enquanto o índice de inadimplência voltou aos níveis normais de 1,6% da receita (abaixo dos 3.4% no segundo trimestre de 2020).

Romi (ROMI3)

A Romi teve lucro líquido de R$ 36,1 milhões no terceiro trimestre deste ano, 30% maior em relação ao mesmo período de 2019.

A receita líquida foi de R$ 250 milhões, 1,6% acima na base anual e com ganhos de 27,8% no trimestre.

O Ebitda foi de R$ 40,1 milhões, alta de 12,8%.

“Mesmo com um ambiente ainda de incertezas, a recuperação das atividades industriais, a melhoria da confiança do empresário industrial, assim como a redução da taxa básica de juros e a desvalorização cambial, impulsionaram o volume de entrada de pedidos na Unidade de Máquinas Romi”, destacou no comunicado.

Cyrela (CYRE3)

A construtora Cyrela informou nesta terça-feira que seus lançamentos no terceiro trimestre somaram R$ 2,59 bilhões, o que equivale a um crescimento de 45,7% em relação ao mesmo período do ano passado.

Já as vendas contratadas líquidas da companhia entre julho e setembro totalizaram R$ 2,456 bilhões, um salto de 58,1% no comparativo anual.

O Itaú BBA repercutiu positivamente os resultados da construtora Cyrela para o terceiro trimestre de 2020 e manteve a recomendação das ações da Cyrela em outperform (com expectativa de crescimento acima da média do mercado).

Na mesma linha, o Credit apontou que a Cyrela reportou dados operacionais bem fortes, ultrapassando as expectativas que já eram altas por quase 25%. As vendas líquidas foram as mais altas nos últimos 10 anos, velocidade de vendas também teve nível perto do recorde para lançamentos e estoque e a venda de estoque foi a segunda mais alta na historia da empresa.

Na avaliação do analista, mesmo com o mercado prevendo números robustos, tal performance demonstra que as taxas de crédito imobiliário a níveis tão baixos possam ter um resultado mais transformacional do que inicialmente previsto na demanda. O segmento de alta renda foi o mais relevante para vendas, representando 42% do total de volume vendido.

EzTec (EZTC3)

A EzTec informou que espera realizar de R$ 4,0 bilhões a R$ 4,5 bilhões em Valor Geral de Vendas, para o agregado dos anos de 2020 e 2021, de empreendimentos exclusivamente residenciais, considerando
somente a participação da EzTec. A projeção acima já inclui o valor de R$ 770 milhões referente aos lançamentos residenciais realizados nos 3 primeiros trimestres de 2020, conforme comunicado anteriormente ao mercado.

Na avaliação do Credit Suisse, o guidance estabelecido pela EzTec é “impressionante”, estando entre 25% e 40% acima dos números projetados pelo banco (sendo que os analistas do banco já estavam acima do consenso).

Pelo guidance, o ritmo de lançamentos seria entre R$ 650 e R$ 750 milhões por trimestre nos próximos 5 trimestres. “O desafio é relevante, mas a demanda nunca foi tão favorável, landbank nunca foi tão grande e o management desenvolveu um goodwill bom o suficiente com o mercado para que os investidores precifiquem essas estimativas”, afirmam os analistas.

O Credit aponta que, nas últimas semanas, o case da EzTec tem chamado a atenção dos investidores, uma vez que o prêmio da empresa em relação aos pares estava perto das mínimas históricas, sendo que é uma das empresas que está melhor posicionada no momento do ciclo habitacional no Brasil, alavancada em um execução superior e com um landbank atrativo.

Panvel (PNVL3)

Ontem, a Panvel anunciou o cancelamento da assembleia geral extraordinária e da assembleia geral de acionistas preferencialistas da companhia originalmente marcada para 29 de outubro. O principal motivo alegado está relacionado a questionamentos vindos de alguns acionistas que fizeram a companhia discutir e revisar os termos da proposta de conversão de ações a ser apresentada em assembleia geral.

Nos próximos dias, a companhia terá que fazer nova convocação de assembleia geral extraordinária e assembleia geral de preferencialistas, visando dar continuidade ao processo de eventual conversão de ações preferenciais (PN) em ordinárias (ON) e da companhia de forma a dar foco em uma governança corporativa mais forte.

“Vemos o adiamento como parte normal do processo, dado o feedback dos acionistas detentores de ações preferenciais. Nesse sentido, entendemos que a empresa discutirá internamente os pontos trazidos pelos acionistas preferencialistas e trabalhará em uma proposta atualizada que não será diferente da anterior; no entanto, deve trazer todas as respostas para os pontos levantados pelos investidores. Depois disso, esperamos que a Panvel convoque a assembleia geral / assembleia de acionistas preferenciais, com a possibilidade de os acionistas aceitarem a conversão de ações, o que permitiria à empresa migrar para o novo mercado no futuro (um nível superior de governança)”, destaca o Bradesco BBI, que reitera a recomendação outperform para o papel, com preço-alvo de R$ 39.

Randon (RAPT4)

Na véspera, a Randon inaugurou um novo espaço de 4.000 m² chamado Conexo para que a empresa fique perto de startups, universidades, empresas e empreendedores, de forma a desenvolver projetos a partir do relacionamento com essas partes. O CEO Daniel Randon disse que a inauguração desse novo espaço marca uma nova forma de conduzir os negócios, com foco em ações inteligentes, colaborativas e sustentáveis.

“A Randon tem buscado focar em produtos e soluções inovadores que possam impulsionar a lucratividade da empresa nos próximos anos por meio de sua plataforma de startups Randon Ventures  e a abertura deste novo espaço reforça isso. Mantemos nossa recomendação outperform e preço alvo para 2021 de R$ 14,00 para a ação”, aponta o Bradesco BBI.

Ambev (ABEV3) e M. Dias Branco (MDIA3)

O Bradesco BBI repercutiu informações da Apas (Associação Brasileira de Supermercados) segundo as quais preço médio da cerveja caiu 2,5% no Brasil entre janeiro e setembro. Mas há certa recuperação, com alta de 2% em setembro em relação ao mesmo mês do ano anterior. A expectativa da Apas é que os preços aumentem entre 5% e 10% em 2020.

Na avaliação do Bradesco BBI, a demora para aumentar os preços, associada ao programa de auxílio emergencial do governo brasileiro, pode beneficiar o volume de cerveja vendida pela Ambev. Mas o banco afirma estar preocupado quanto aos volumes vendidos em 2021, com o fim do auxílio. Por isso, desaconselha as ações da Ambev, e recomenda as ações da M. Dias Branco, “já que ela vende marcas acessíveis, que se mostraram resilientes em cenários de menor renda disponível”.

(Com Reuters, Bloomberg e Agência Estado)

Por Dentro dos Resultados
CEOs e CFOs de empresas abertas comentam os resultados do ano. Cadastre-se gratuitamente para participar:

Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.

The post Ação da Qualicorp sobe forte com Rede D’Or elevando fatia; shoppings avançam, enquanto IRB e Weg viram para queda appeared first on InfoMoney.