(Bloomberg) — As previsões econômicas mais otimistas de Wall Street dependem de uma previsão simples: quando todo mundo voltará para suas academias, bares e estúdios de ioga locais como se a pandemia já tivesse passado.

Uma explosão de empregos no vasto setor de serviços dos Estados Unidos – o maior empregador do país, desde desenvolvedores de software até a Chipotle local – é uma parte central das ousadas previsões de crescimento neste ano.

A ideia é de que as vacinas e o aumento da imunidade desencadeiam a demanda reprimida, o que provoca uma onda de contratações que reduz drasticamente o desemprego. O Federal Reserve vê a taxa de desemprego cair para 5% até o final de 2021 e alguns no setor privado, incluindo Goldman Sachs e Deutsche Bank, têm projeções na faixa de 4%.

O Departamento de Trabalho oferecerá uma visão mais recente do setor de serviços com o relatório de empregos de fevereiro a ser divulgado na sexta-feira. As leituras fracas em dezembro e janeiro, que coincidiram com uma escalada de casos de vírus nos Estados Unidos, concentraram-se em setores como lazer, hotelaria e varejo. O setor de serviços, que atualmente emprega 122 milhões de pessoas, tem quase nove milhões de trabalhadores a menos do que quando a pandemia o atingiu no início do ano passado.

O presidente do Fed, Jerome Powell, disse na semana passada que estava preocupado com interrupções permanentes no emprego no setor de serviços, em comentários ao Comitê de Serviços Financeiros da Câmara.

“O que vamos descobrir com base em algumas das pesquisas sobre as quais ouvimos falar é que nem todos esses empregos vão voltar porque as pessoas começaram a implementar a automação”, disse Powell. “Muitas dessas pessoas podem achar difícil voltar ao trabalho e acho que vão precisar de mais apoio.”

Consumidor Cauteloso

As previsões otimistas estão cheias de incertezas. Ninguém sabe, por exemplo, por quanto tempo o comportamento cauteloso do consumidor permanecerá, mesmo após a vacinação generalizada, ou quantas pequenas empresas faliram, ou se as empresas acabaram de descobrir que podem atender à demanda com menos funcionários.

Ernie Tedeschi, economista na Evercore ISI em Washington, aponta para o potencial de recuperação conforme melhore a distribuição de vacinas, especialmente em setores como hospitalidade e varejo. Mas ele também teme que os EUA não tenham boas leituras sobre o fechamento de pequenas empresas. Os economistas também não sabem o quão rápido as mulheres que deixaram o trabalho para cuidar dos filhos voltarão ao mercado, ou em que ritmo as empresas que reduziram seus quadros de funcionários irão contratar de volta.

“Existem atritos e gargalos na conversão da demanda em oferta”, disse Tedeschi. “Reabrir um novo restaurante para substituir um que fechou permanentemente não é uma questão de apertar um botão. É preciso capital, relações financeiras e tudo isso leva ainda mais tempo.”

Desafios adiante

Dan Price, diretor executivo da Gravity Payments, com sede em Seattle, que atende a 20.000 clientes, incluindo muitas pequenas empresas, está preocupado.

“Tivemos um aumento de 50% na porcentagem de empresas fechando para sempre”, disse ele. “Tem sido difícil de ver.”

Muitos dos clientes da Price, que usam a Gravity para processamento de cartões, passaram anos estabelecendo seus negócios. Se eles recomeçarem, a reconstrução levará algum tempo. Aqueles que ainda estão no mercado têm dificuldade em fazer planos de contratação porque a pandemia já dura muito tempo.

Dois exemplos de diferentes setores mostram como alguns prosperaram, enquanto outros lutam para se manter.

Nicholas Chiaramonti é vice-presidente executivo encarregado de operações profissionais e de varejo da Rosin Optical, uma empresa de cuidados oftalmológicos que atende mais de 100.000 pacientes em mais de 60 pontos de venda em três estados. A Rosin foi fundada nos tempos difíceis de 1930.

A empresa reduziu pessoal pela primeira vez na carreira de Chiaramonti em cerca de 80 profissionais, embora alguns casos tenham sido por aposentadorias voluntárias. Ele está otimista com a recuperação. “A demanda do paciente foi imediata” quando as restrições foram suspensas em abril passado, disse Chiaramonti. Ainda assim, a Rosin não planeja recontratar tão cedo.

A experiência de Matt Brennan em Milwaukee, Wisconsin, foi diferente. A JM Brennan, uma empreiteira comercial, foi fundada por seu avô em 1932. Quando a pandemia varreu o país no ano passado, a JM Brennan demitiu 100 trabalhadores, os primeiros cortes de pessoal em grande escala na história da empresa. O trabalho de Brennan em escritórios comerciais, que abrange bens e serviços, foi suspenso. Como muitos setores, ele está tentando mudar para capturar mais negócios em áreas onde a economia está indo bem, como serviços de alimentação, mas é um desafio. “Isso não vai ser como ligar o botão, derrotamos o vírus e pronto”, disse ele.

Como um trader ganha dinheiro, controla perdas, equilibra o emocional e multiplica capital? Assista na Imersão Trader Estratégico, treinamento gratuito do analista Charlles Nader.

The post Aposta de recuperação nos EUA gira em torno do setor de serviços appeared first on InfoMoney.