As bolsas europeias têm em sua maioria quedas, os índices futuros americanos recuam nesta sexta-feira (12) e as principais bolsas asiáticas fecharam em alta.

Na quinta, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, assinou a lei criando um pacote de estímulos no valor de US$ 1,9 trilhão, por meio do qual pagará até US$ 1.400 para a maioria dos cidadãos americanos. Mas o otimismo gerado pela medida foi parcialmente ofuscado pela alta de juros de títulos do Tesouro americano com vencimento em dez anos, que voltaram a bater pela manhã a marca de 1,6%.

Os depósitos diretos aos cidadãos americanos devem começar a ser pagos já neste final de semana. Além disso, a lei também estende um valor extra no seguro-desemprego de US$ 300 por semana até 6 de setembro, e expande o crédito de impostos por criança por um ano.

E direciona US$ 20 bilhões à vacinação contra Covid, US$ 25 bilhões em assistência para aluguéis em serviços e US$ 350 bilhões para assistência estadual, local e tribal.

Pouco antes de assinar, o presidente Joe Biden afirmou: “esta legislação histórica trata de reconstruir a estrutura deste país e dar ao povo desta nação, pessoas trabalhadoras, pessoas de classe média, aquelas que vão reconstruir este país, uma chance de lutar”.

As bolsas americanas tiveram altas recordes nas negociações de overnight. O índice S&P subiu 1%, com bom desempenho de ações do setor de tecnologia.

Mas os juros dos títulos do Tesouro americano com vencimento em dez anos voltaram a subir na manhã de sexta, atingindo brevemente a marca de 1,6% antes de recuar para US$ 1,595%.

A alta de juros dos títulos do Tesouro com vencimento no longo prazo vem ganhando espaço no noticiário econômico nas últimas semanas. Há temor de que a elevação leve investidores a migrarem do mercado de ações para o de títulos, considerado seguro por ser garantido pelo governo, que tem o poder de criar ou extinguir impostos, caso necessário.

E a sinalização de alta da inflação pode levar o Fed a rever a sua política sobre os juros referenciais de curto prazo. Além disso, a alta dos juros dificulta a tomada de empréstimos por empresas que necessitam de grande volume de recursos para crescer, como as do setor de tecnologia.

As principais bolsas asiáticas, por sua vez, fecharam em alta na sexta-feira. O índice Nikkei, do Japão, subiu 1,73%; o Kospi, da Coreia do Sul, 1,35%, com destaque para os ganhos de empresas do setor de tecnologia. Bolsas da China continental tiveram resultados mais modestos. O índice Shanghai composto subiu 0,47%; o Shenzhen componente teve alta de 0,22%.

Também na Europa, investidores temem que a alta dos juros de títulos dificulte a recuperação no continente por aumentar o custo dos empréstimos em países que já têm dificuldades em decorrência da crise causada pelo coronavírus.

Além disso, na quinta a União Europeia aprovou a vacina de dose única da Johnson & Johnson’s contra a Covid, à medida que o bloco busca impulsionar a vacinação, que vem sendo apontada como lenta. Até 10 de março, 10,09% da população do bloco havia sido vacinada, contra 28,92% nos Estados Unidos e 5,53% no Brasil, de acordo com dados oficiais compilados pelo Our World In Data.

O índice Eurostoxx, que reúne ações de 600 empresas de todos os principais setores de 17 países europeus, cai 0,46%. Ações do setor de tecnologia lideram as perdas, com recuo de 1,2%. Por outro lado, bancos têm alta de 0,6%.

Nesta sexta foram divulgados dados indicando que a economia do Reino Unido encolheu 2,9% em janeiro na comparação com o mês anterior. A contração foi menor do que o esperado, em um momento em que o país voltou a entrar em lockdown.

Os gastos extras do governo com programas focados em testar cidadãos e rastrear contatos que poderiam ter se infectado, além de programas de vacinação, contribuíram com os resultados acima do esperado, adicionando 0,9% ao PIB.

Veja o desempenho dos principais indicadores às 6h30 (horário de Brasília):
*S&P 500 Futuro (EUA), -0,56%
*Nasdaq Futuro (EUA), -1,62%
*Dow Jones Futuro (EUA), -0,14%
Europa
*Dax (Alemanha), -0,61%
*FTSE 100 (Reino Unido), -0,36%
*CAC 40 (França), -0,17%
*FTSE MIB (Itália), -0,16%
Ásia
*Nikkei (Japão), +1,73% (fechado)
*Hang Seng Index (Hong Kong), -2,2% (fechado)
*Kospi (Coreia do Sul), +1,35% (fechado)
*Shanghai SE (China), +0,47% (fechado)
Commodities e bitcoin
*Petróleo WTI, -0,45%, a US$ 65,72 o barril
*Petróleo Brent, -0,27%, a US$ 69,44 o barril
*Bitcoin, +3,88%, a US$ 56.615,91
Sobre o minério: **Contratos futuros do minério de ferro negociados na bolsa de Dalian com queda de 0,28%, cotados a 1059 iuanes, equivalente hoje a US$ 162,78 (nas últimas 24 horas).
USD/CNY = 6,51

 

Entre no grupo do InfoMoney no Telegram para ter acesso a este conteúdo e faça parte de uma comunidade de mais de 138 mil pessoas que acompanham a plataforma.

O Telegram do InfoMoney oferece gratuitamente uma cobertura em tempo real do mercado financeiro. Traz também análises e as principais notícias que movimentam as Bolsas, aqui e no exterior.

The post Bolsas europeias e índices futuros americanos recuam, com alta de títulos do Tesouro de volta ao radar appeared first on InfoMoney.