(Bloomberg) – Emissores estrangeiros migraram para o dólar neste ano em ritmo recorde, e soberanos da Indonésia à Colômbia, empresas como Nissan e a concessionária de saneamento de Manila acumulam vendas de US$ 1,29 trilhão.

É uma lição econômica importante da crise de Covid-19: assim como aconteceu na esteira do colapso financeiro global de 2008, o dólar consolida seu papel como moeda dominante mundial, mesmo que políticas unilateralistas do presidente Donald Trump incomodem aliados e rivais.

“Sempre que há uma crise, empresas e países correm para garantir que tenham todo o financiamento de que precisam”, disse Jim O’Neill, o ex-economista-chefe do Goldman Sachs que cunhou a sigla BRIC.

“Os mercados de dólar são a única fonte real disponível, então toda a situação se intensifica a partir dela mesma”, de acordo com O’Neill, que é presidente do grupo de política internacional Chatham House.

A facilidade de obter financiamento em dólar no mundo todo tem sido fundamental para evitar que a crise econômica e de saúde se transforme em uma espiral financeira, ao fornecer a empresas e governos acesso barato a fundos.

Mas também pode estar plantando sementes para a próxima crise: se o dólar passar por uma tendência de valorização sustentada, aumentará os custos do serviço da dívida, o que pode dificultar pagamentos no futuro.

Esse é um risco particular para mercados emergentes, onde a dívida externa, incluindo empréstimos em dólar, sobe no ritmo mais rápido já registrado, com emissões para todo o ano prestes a ultrapassar US$ 750 bilhões, de acordo com Damian Sassower, estrategista da Bloomberg Intelligence.

A falta de alternativas globais ajuda a explicar parte do papel do dólar. O status do euro como moeda de reserva permanece limitado, e a moeda da China ainda está sujeita a controles de capital.

É também questão de custo. O Federal Reserve ainda injeta enorme liquidez e, com a expectativa de manutenção dos juros próximos de zero nos próximos anos, o dólar é ainda mais atraente como fonte de financiamento.

A emissão total de US$ 1,29 trilhão de tomadores fora dos Estados Unidos neste ano é 21% superior ao mesmo período de 2019, de acordo com dados compilados pela Bloomberg.

Mas o papel crítico do dólar também tem um lado negativo. Deixa os mercados emergentes dependentes do rumo da política monetária dos EUA. Embora pareça distante agora, o aperto da política pelo Fed pode estimular a valorização do dólar.

“A ampla dependência do dólar deixa o sistema financeiro internacional refém dos caprichos das políticas dos EUA, especialmente do Federal Reserve”, disse Eswar Prasad, que já liderou a equipe do Fundo Monetário Internacional na China e trabalha na Universidade Cornell. “Para economias de mercado emergentes, em particular, pode criar efeitos devastadores sobre os fluxos de capital e as taxas de câmbio.”

Newsletter InfoMoney
Informações, análises e recomendações que valem dinheiro, todos os dias no seu email:

Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.

The post Crise do coronavírus fortalece papel do dólar na economia global appeared first on InfoMoney.