No ramo corporativo, chama atenção o anúncio de que a Natura fará uma oferta global de ações que pode somar R$ 6,207 bilhões. A oferta inclui uma emissão pública de distribuição primária com esforços restritos das ações no Brasil e uma oferta pública primária no exterior, sob a forma de ADSs. O objetivo da operação é acelerar o crescimento nos próximos três anos e otimizar a estrutura de capital, acelerando a desalavancagem.

A CVC Corp divulgou, com atraso, os resultados do primeiro trimestre, com prejuízo líquido consolidado de R$ 1,15 bilhão, ante um lucro de R$ 46 milhões (pro forma), no mesmo período do ano anterior. Além disso, deve ser retomado hoje o julgamento de uma ação que questiona a venda de subsidiárias da Petrobras, constituídas a partir do desmembramento da empresa matriz, sem aval do Congresso Nacional. O julgamento começou ontem, no STF.

Petrobras (PETR3;PETR4)

Deve ser retomado hoje o julgamento de uma ação que questiona a venda de subsidiárias da Petrobras, constituídas a partir do desmembramento da empresa matriz, sem aval do Congresso Nacional. Segundo a ação, a estatal estaria descumprimento um entendimento do próprio STF ao desmembrar a empresa-mãe para vender ativos, incluindo refinarias, sem autorização dos parlamentares. De acordo com o G1, o STF começou o julgamento ontem, quando foram apresentadas as sustentações orais das partes.

Ainda sobre a Petrobras, a empresa finalizou a venda de sua participação nos campos terrestres do Polo Lagoa Parda, no Espírito Santo, para a Imetame Energia Lagoa Parda, afiliada da Imetame Energia. A operação somou US$ 9,441 milhões. O valor se soma ao montante de US$ 1,405 bilhão pagos à Petrobras na assinatura do contrato de venda.

Além disso, a Petrobras anunciou ontem o início da fase vinculante referente à venda de sua subsidiária integral Petrobras Biocombustível (PBIO). Segundo a empresa, os potenciais compradores habilitados para essa fase receberão carta-convite com instruções sobre o processo de desinvestimento.

BR Distribuidora (BRDT3)

A BR Distribuidora recebeu valores referentes aos Instrumentos de Confissão de Dívidas assinados com a Eletrobras e suas controladas distribuidoras de energia. A companhia recebeu R$ 34,7 milhões correspondente à 29ª parcela. Desde a assinatura destes instrumentos, a companhia já recebeu um montante total de R$ 4,5 bilhões.

Natura (NTCO3)

A Natura fará uma oferta global de ações que pode somar R$ 6,207 bilhões. A oferta inclui uma emissão pública de distribuição primária com esforços restritos das ações no Brasil e uma oferta pública primária no exterior, sob a forma de ADSs.

O objetivo da operação é acelerar o crescimento nos próximos três anos e otimizar a estrutura de capital, acelerando a desalavancagem. Sobre os planos de crescimento, a empresa destacou a integração e a recuperação da Avon, a digitalização dos negócios e oportunidades de expansão geográfica.

A empresa vai emitir 121.400.000 ações ordinárias que serão precificadas em 08 de outubro. A operação é coordenada pelo Banco Morgan Stanley, pelo Bank of America Merrill Lynch, Banco Bradesco BBI, Citigroup Global Markets Brasil e Banco Itaú BBA.

Além disso, a Natura disse que deixará de divulgar projeções financeiras, devido à necessidade de adequar sua política de divulgação aos procedimentos da oferta pública de ações.

IRB (IRBR3)

O IRB-Brasil Resseguros informou que a agência de classificação de riscos Standard & Poor’s Global Ratings atribuiu o rating “brAAA” para a primeira emissão de debêntures simples da companhia. O valor total dessa emissão é de até R$ 900 milhões, em duas séries, com vencimentos em 2023 e 2026, conforme divulgado no dia anterior.

Energisa (ENGI3)

A Energisa concluiu a oferta pública de distribuição de 1.244.154 debêntures simples, em série única. A emissão somou R$ 1,244 bilhão. A oferta foi feita com esforços restritos (CVM 476), ou seja, limitada a um público restrito de investidores qualificados.

Hypera (HYPE3)

A Hypera aprovou a distribuição de juros sobre capital próprio de R$0,29290 por ação ordinária, equivalente a R$185,49 milhões. O pagamento será realizado até o final do exercício social de 2021, com base na posição acionária de 23 de outubro de 2020. As ações serão negociadas “ex-juros sobre capital próprio” a partir de 26 de outubro de 2020, inclusive.

CVC (CVCB3)

A CVC divulgou, com atraso, os resultados do primeiro trimestre, com prejuízo líquido de R$ 1,15 bilhão, ante um lucro de R$ 46 milhões (pro forma), no mesmo período do ano anterior.

O prejuízo líquido em termos ajustados – por itens não recorrentes ou que não afetam a geração de caixa e exclui o lucro líquido atribuível à não controladora, além do efeito extraordinário de Avianca – foi de R$ 72,9 milhões, ante dado positivo de R$ 57,8 milhões (pro forma) no primeiro trimestre de 2019.

A receita líquida somou R$ 289,6 milhões, queda de 35,9%, enquanto o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, amortização, depreciação) ajustado foi de R$ 12,5 milhões, queda de 90,5%.

Já a alavancagem (relação entre dívida líquida e Ebitda) foi de 4,09 vezes no padrão pro forma e 3,17 vezes segundo o padrão contábil.

Banco do Brasil (BBAS3)

O BB Banco de Investimento e o UBS firmaram uma parceria para atuar em atividades de banco de investimento e de corretora de valores mobiliários no segmento institucional no Brasil, Argentina, Chile, Paraguai, Peru e Uruguai.

Segundo o BB, a parceria vai iniciar suas operações como uma plataforma de banco de investimentos completa, combinando a rede de relacionamentos do BB no Brasil e sua capacidade de distribuição para pessoas físicas, com a capacidade de distribuição global do UBS. O UBS terá 50,01% da nova empresa, enquanto o BB terá 49,99%.

Suzano (SUZB3)

A oferta pública de ações da Suzano a ser feita pela BNDESPar, braço de investimentos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), será precificada nesta quinta-feira.

De acordo com o fato relevante enviado pela companhia em 18 de setembro, a oferta consiste de 150.217.425 ações. Isso equivale a 11% do capital da Suzano.

Os coordenadores da oferta são o JPMorgan, o Bank of America, o Bradesco BBI, Itaú BBA e XP Investimentos.

Vale (VALE3)

A Vale vai pagar R$ 493,9 milhões, equivalente a R$ 1,271221414 por debênture participativa. O valor é referente ao prêmio total apurado para o período entre janeiro e junho de 2020. A liquidação financeira ocorrerá hoje.

O prêmio total é composto por um percentual de 1,80% sobre o faturamento líquido obtido com a venda de finos de minério de ferro oriundos do Sistema Norte e por um percentual de 1,25% sobre o faturamento líquido obtido com a venda de concentrado de cobre oriundo da mina de Sossego.

CPFL (CPFE3)

A CPFL Energia informou a conclusão da segunda etapa do plano de integração da CPFL Renováveis mediante a Reestruturação Societária das empresas do Grupo CPFL. O processo inclui a cisão parcial da CPFL Geração com a versão de seu acervo líquido cindido para a CPFL Renováveis.

Além disso, prevê a incorporação total, pela CPFL Renováveis, da CPFL Centrais Geradoras e o aumento de capital da CPFL Renováveis mediante a integralização de créditos pela CPFL Geração. Segundo a empresa, a nova estrutura fortalece suas estruturas administrativas e gera sinergias.

Profissão Broker: como fazer carreira na elite da bolsa da valores, mesmo saindo do zero.

 

The post CVC divulga com atraso prejuízo no 1º tri, STF retoma julgamento sobre Petrobras, Natura fará oferta global de ações e mais appeared first on InfoMoney.