Petrobras

SÃO PAULO – A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) informou nesta segunda-feira (15) que dentre as quatro investigações que estão sendo feitas sobre a Petrobras (PETR3; PETR4) envolvendo o anúncio da troca de presidente da companhia, as operações feitas com opções de venda da estatal não teriam dado o resultado apontado por notícias nas últimas semanas.

Alguns dias após o caso da saída do CEO Roberto Castello Branco, que levaram as ações a caírem 27%, o jornal O Globo publicou uma matéria afirmando que transações com opções da Petrobras indicando um possível uso de informação privilegiada (insider trading) teriam rendido a um investidor um lucro de R$ 18 milhões com a queda dos papéis.

As opções em investigação são as de código PETRN265, e de acordo com a autarquia “não foram levadas ao vencimento, sendo que ao menos as informações divulgadas em relação ao resultado financeiro da operação não foram detectadas”, ou seja, não teria ocorrido o lucro com esses ativos.

Apesar do comunicado, a autarquia não descarta ainda operações com uso de informação privilegiada e ganhos com essas ou outras opções da Petrobras.

A CVM afirma que “estão em andamento as análises para a identificação de todas as operações com indícios de utilização de informação relevante não divulgada envolvendo ativos e derivativos relacionados à Petrobras no período indicado”.

De acordo com O Globo, na quinta-feira, 18 de fevereiro, foram compradas 4 milhões de opções de venda por R$ 0,04 cada, com preço de exercício em R$ 26,50, totalizando uma operação de R$ 160 mil. Caso esta operação tenha sido carregada até a segunda seguinte, quando o papel preferencial da estatal fechou a R$ 21,45, o lucro na operação estaria próximo de R$ 20 milhões.

No comunicado, a CVM ainda esclareceu que outros três processos estão em andamento. Em um deles, está sendo analisada a declaração do presidente Jair Bolsonaro de que “algo vai acontecer” na Petrobras após ter ficando incomodado com os reajustes de combustíveis feitos pela empresa.

Nesse caso, o processo, que aberto no dia 20 de fevereiro, vai verificar “o cumprimento dos deveres de divulgação de informações pelos acionistas controladores, administradores e demais pessoas relacionadas à Petrobras”.

Outro processo envolve diretamente a mudança na presidência da estatal. Aberto no dia 23 do mês passado, este caso analisa a conduta da União no caso envolvendo a divulgação de notícias sobre a saída de Castello Branco do comando da companhia.

Por fim, foi aberto em 1 de março um processo para verificar “o enquadramento do currículo do General Silva e Luna aos requisitos previstos na Lei das Estatais, para sua investidura no cargo de presidente da companhia”.

Entenda em 4 passos como funciona o mercado de opções:

1) O que é uma opção?
A opção é um derivativo negociado na Bolsa de Valores. E como qualquer derivativo, seu preço “deriva” da oscilação do ativo ao qual ela se lastreia. No caso de uma opção de ação, o contrato varia de acordo com as oscilações desta ação na Bovespa – confira a ferramenta de cotações de opções de ações do InfoMoney.

Quem compra uma opção está adquirindo o “direito” de comprar ou vender alguma ação; já quem vende a opção tem a obrigação de atender a exigência daquele que comprou o contrato. Ou seja: se você vendeu uma opção de compra e essa opção for exercida, você terá que vender essa ação ao detentor da opção pelo preço estabelecido; se você vendeu uma opção de venda e ela for exercida, você terá que comprar esta ação ao preço estabelecido.

2) O que é uma opção de compra? E uma opção de venda?
Existem dois tipos de opções: de compra (call) e de venda (put). Quando um investidor compra uma “call”, ele está adquirindo o direito de comprar uma determinada ação a um preço já estabelecido (que é preço de exercício, ou “strike”) até um dia de vencimento já firmado. Para o investidor que compra uma “put”, ele está adquirindo o direito de vender uma ação até um dia determinado a um valor já estabelecido.

3) O que significam as letras e números de uma opção?
Tanto para “call” como para uma “put”, todas as informações sobre o ativo, o preço de exercício e o vencimento já estão explícitos no contrato. As 4 primeiras letras denominam qual ação é o alvo da opção; a 5ª letra define se é uma opção de compra ou de venda e qual o vencimento da mesma; já os números definem qual o preço estabelecido para exercer este direito.

Pegando por exemplo a “PETRN265”, citada acima:
– PETR: a opção refere-se à ação da Petrobras
– N: é uma opção de compra com vencimento em fevereiro
– 265: define o preço de exercício da opção (obs: nem sempre o número explícito no contrato é exatamente o “strike” exato de uma opção).

4) Quando vence uma opção?

As opções de ações vencem toda 3ª segunda-feira do mês. Em meses em que há um feriado na 3ª segunda-feira, o vencimento é antecipado para a 2ª segunda-feira.

Você ganhou um curso de ações 100% online e ao vivo. Durante 4 aulas, André Moraes explica como faria para lucrar na Bolsa de começasse hoje. Clique aqui para assistir!

The post CVM diz que operação suspeita de insider com opções da Petrobras não gerou lucro de R$ 18 milhões appeared first on InfoMoney.