A mineradora Vale (VALE3) ultrapassou a marca de US$ 100 bilhões em valor de mercado, ampliando sua posição como empresa mais valiosa da América Latina. Segundo levantamento feito pela consultoria Economática, a empresa fechou o pregão da B3, a Bolsa paulista, valendo US$ 103,8 bilhões nesta terça-feira, 27, mais de US$ 20 bilhões à frente da gigante do e-commerce argentina Mercado Livre (MELI34), a segunda colocada.

De acordo com a Economática, desde que superou a companhia argentina, a mineradora brasileira não para de ganhar uma dianteira em relação a suas concorrentes na região – nesta segunda-feira, o papel da mineradora encerrou o pregão a R$ 110 após subirem quase 1,5% no pregão de terça, em reação aos resultados financeiros apresentados pela mineradora na véspera. O “top 3” da região é completado pelo Mercado Livre, que vale US$ 80 bilhões, e pelo braço mexicano da varejista americana Wal-Mart, avaliado em US$ 56 bilhões.

Entre o “top 10” da região, o Brasil lidera com cinco empresas. Completam a participação nacional nesse ranking a Petrobras (PETR4; US$ 56,9 bilhões), o Itaú Unibanco (ITUB4; US$ 45,9 bilhões), a Ambev (ABEV3; US$ 44,2 bilhões) e o Bradesco (BBDC4; US$ 39,1 bilhões), todos empresas do mercado tradicional.

Empresas emergentes nos últimos anos, que tiveram forte valorização na B3, aparecem logo abaixo, como a indústria catarinense Weg (WEGE3; 13.º lugar, com US$ 28,7 bilhões) e a varejista Magazine Luiza (MGLU3; 15.ª colocação, com US$ 25,7 bilhões).

Depois do Brasil, o México é o segundo país com mais empresas na lista das mais valiosas da América Latina (com 2 companhias), seguida da Argentina e das Bermudas, com 1 cada.

Imagem em recuperação

A recuperação da companhia veio depois de um baque sofrido há dois anos, com a tragédia de Brumadinho, em Minas Gerais, que causou enormes impactos ambientais e resultou em 270 mortes, sendo a maioria de trabalhadores da companhia.

A empresa fechou acordos bilionários em virtude do incidente e também enfrentou uma crise de imagem e de segurança relacionada a suas barragens.

No ano passado, porém, impulsionada pela alta dos preços do minério de ferro e melhores volumes de vendas, a empresa conseguiu reverter o prejuízo de US$ 1,683 bilhão, em 2019, entregando um lucro líquido de US$ 4,881 bilhões. Foi um ano em que a companhia, nas palavras do seu presidente, Eduardo Bartolomeo, tornou-se um operador mais confiável e se mostrou mais preparada para enfrentar 2021.

Neste ano, já com o acordo de Brumadinho fechado, a companhia tem conseguido ampliar os ganhos. O acordo de conciliação, de R$ 37,68 bilhões, ficou bem acima da proposta inicial feita pela mineradora, de R$ 29 bilhões, e mais próximo dos R$ 40 bilhões demandados pelo Estado e autoridades como o Ministério Público e a Defensoria.

O termo não retirou nenhuma responsabilidade da empresa. Além disso, o documento impôs novas obrigações e serviu como um reconhecimento da responsabilidade da mineradora pelo ocorrido. Ações individuais por indenizações e criminais seguem tramitando, mas o mercado financeiro vê a questão como equacionada.

Nesta última segunda-feira, a companhia informou que registrou um lucro líquido de US$ 5,546 bilhões no primeiro trimestre de 2021, uma alta de 2.220% em relação ao ganho de US$ 239 milhões obtido no mesmo período do ano passado.

O resultado também cresceu de forma significativa em relação ao trimestre anterior, quando a empresa registrou ganhos de US$ 739 milhões. Os resultados vieram em linha com as já altas expectativas de analistas de mercado.

Uma das maiores produtoras globais de minério de ferro, a empresa teve um lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado de US$ 8,35 bilhões entre janeiro e março, ante US$ 2,882 bilhões um ano antes.

Companhias com maior valor de mercado na América Latina

Vale (Brasil) – US$ 103,8 bilhões

Mercado Livre (Argentina) – US$ 80 bilhões

Wal-Mart México (México) – US$ 56,9 bilhões

Petrobras (Brasil) – US$ 54,9 bilhões

America Movil (México) – US$ 48,6 bilhões

Itaú Unibanco (Brasil) – US$ 46 bilhões

Ambev (Brasil) – US$ 44,2 bilhões

Grupo México (México) – US$ 39,2 bilhões

Bradesco (Brasil) – US$ 39,1 bilhões

Marvell Technology (Bermudas) – US$ 31 bilhões

Aprenda como ganhar dinheiro prevendo os movimentos dos grandes players. Na série gratuita Follow the Money, Wilson Neto, analista de investimentos da Clear, explica como funcionam as operações rápidas.

The post Mineradora Vale é a empresa mais valiosa da América Latina e equivale a quase 2 Petrobras appeared first on InfoMoney.