(CONDADO DA FARIA LIMA) – Nosso convidado do “Coffee & Stocks Macro” tem experiência de sobra tanto no mercado quanto na gestão pública. Por isso, o alerta dele de que o Brasil está perdendo mais uma oportunidade de aproveitar o “momento excepcional” lá de fora ganha ainda mais força.

Reinaldo Le Grazie já foi CIO e CEO da Bram (Bradesco Asset Management) e diretor de política monetária do Banco Central na gestão do Ilan Goldfajn. Atualmente ele é sócio da Panamby Capital, gestora fundada em 2019 e que passou muito bem pela crise – o único fundo da casa, o multimercado Panamby Inno, teve rendimento de 8,06% em 2020, quase o triplo do CDI do período.

No vídeo acima ou no nosso canal no YouTube, você confere o papo completo. Abaixo, os melhores trechos da conversa:

EUA terão um crescimento brutal, eles assumiram o que lá fora chamam de “special responsibility”, a responsabilidade de ser o protagonista mundial, e esses estímulos contagiam todas as economias do mundo

Era pro Brasil estar vivendo um momento excepcional, pois os termos de troca [isto é, o preço médio ponderado do que o Brasil gasta pra importar vs preço médio ponderado do que ganha exportando] estão muito bons. Só que o Brasil mais uma vez está perdendo uma grande oportunidade.

Apesar disso, o Ibovespa não deve performar mal, porque metade do IBOV é formado por commodities e bancos: o primeiro está ligado ao exterior e o segundo já está com preços comprimidos.

Não estamos posicionados em abertura de juros no Brasil, porque a curva embute um prêmio muito alto. A bagunça do orçamento e o atraso da vacina justificam isso.

No internacional, temos essa posição em abertura de juros mas “pelos bons motivos”, ou seja, a atividade vai andar tão bem que a inflação vai subir. Será que vai subir tanto que a inflação vai descarrilhar esse cenário? Eu acho que não: empresas ganharam produtividade, embora tenham ganhado poder de preço, mas ainda tem espaço para geração de emprego.

Brasil com crescimento real negativo ou perto de zero em 2021 significa que a política econômica não está funcionando. Existe uma disputa entre países que é natural, e o Brasil hoje está perdendo pra todo mundo: as empresas estão saindo daqui, a confiança está baixa para consumidor, empresário… isso deve impactar muito alguns setores, enquanto outros (como os de commodities) não devem sentir tanto.

Nosso cenário é que taxa de juros não deve subir para taxa de juro neutra. O BC deve subir a Selic para algo próximo de 4,5% e depois “esperar pra ver”.

Olhando para a curva de juros, o mercado embute uma Selic de 5% em janeiro de 2022, o que é razoável com as projeções atuais de 4,5%. Agora, se olhar para os contratos mais longos, como janeiro de 2025, tem uma taxa de juros absurda, na casa de 10%. Não quero dizer que não vai chegar a isso, mas é um patamar absurdo.

Se a Selic voltar a 10% em 2025, é um sinal claro de que algo deu muito errado no Brasil, porque vamos ter jogado tudo que conseguimos conquistar nos últimos anos. Se você ver em qualquer país do mundo, todos que derrubaram a inflação ela não voltou mais. Depois, todos esses que derrubaram os juros também não precisaram mais subir. O Brasil vai ser o único a fazer isso.

Coffee & Stocks

O Coffee & Stocks é o programa de entrevistas diárias do Stock Pickers. Transmitido de segunda a sexta pontualmente das 8h às 8h30 da manhã no Youtube (inscreva-se no canal para não perder nenhuma live). Para cada dia da semana, um tema específico:
Segunda: análise técnica ou trading
Terça: visão macro do mercado
Quarta: ações globais
Quinta: uma tese de investimentos em ações
Sexta: tema livre

The post Momento é “excepcional” lá fora, mas Brasil está perdendo uma grande oportunidade (de novo) appeared first on InfoMoney.