SÃO PAULO – A sessão desta terça-feira é sem direção definida para as principais bolsas mundiais, com os investidores à espera dos dados de inflação nos EUA.

Por aqui, atenção para os dados de vendas do varejo de fevereiro, para a CPI da Covid e para a repercussão da notícia de uma possível PEC defendida por Paulo Guedes e Ministério da Economia para retirar despesas da pandemia do teto de gastos.  Ao todo, a medida permitiria cerca de R$ 35 bilhões em gastos fora do teto e também levaria a um maior espaço para acomodar as emendas parlamentares dos congressistas.

O noticiário corporativo também é movimentado, com atenção para a prévia operacional de construtoras, assembleia da Petrobras com a destituição de Roberto Castello Branco e a eleição de conselheiros, além de mudanças na administração de outras companhias. Confira no que ficar de olho:

1. Bolsas mundiais

Os índices futuros americanos operam próximos à estabilidade na sessão desta terça-feira (13), enquanto os índices europeus têm leve tendência de alta. As bolsas asiáticas fecharam em sentidos diferentes, com alta do Nikkei e queda em Shangai.

Nos EUA, os investidores aguardam dados de inflação medida pelo CPI (Índice de Preços ao Consumidor) relativo a março, a serem divulgados antes da abertura dos mercados.

É provável que os níveis de inflação nos Estados Unidos tenham retornado em março a níveis anteriores à pandemia. A expectativa é que se aqueçam mais nos próximos meses, com a reabertura da economia, alta da demanda e estoques em baixa.

Consumidores vacinados poderão voltar a viajar e a realizar outras atividades que não são recomendadas aos não vacinados, o que pode criar uma alta temporária na inflação nos serviços.

A expectativa de economistas ouvidos pela Dow Jones é de que a taxa global (sem ajustes referentes a sazonalidade) de inflação nos Estados Unidos se acelere 0,5% em março, na comparação mensal. Na comparação anual, a inflação deve ser 2,5% maior frente alta de 1,7% em fevereiro.

O Federal Reserve vem afirmando que a alta da inflação é prevista e temporária, sinalizando de que a instituição não pretende intervir reduzindo estímulos aos mercados ou elevando a taxa de juros referencial.

Em um painel do Fundo Monetário Internacional na semana passada, o presidente do Fed, Jerome Powell afirmou: “Nós queremos ver a inflação subindo a cerca de 2%. Em um nível sustentável. Nós não queremos simplesmente tocar esse patamar uma vez. Também queremos ver esse nível a caminho de se mover moderadamente acima de 2% por algum tempo. O motivo é que queremos uma média de inflação de 2%, com o tempo (…) A inflação tem se mantido abaixo de 2%. Nós queremos que ela fique moderadamente acima de 2%. É isso que buscamos. Esta é a situação que buscamos. E quando chegarmos a ela, será então que elevaremos as taxas de juros”.

A aceleração da inflação é um dos maiores temores do mercado devido a seu potencial de corroer o valor dos ativos e as margens corporativas, e limitar o poder de compra.

As bolsas asiáticas fecharam em sua maioria em alta na terça-feira, apesar da divulgação de dados indicando que as exportações chinesas saltaram 30,6% em março em relação a um ano antes, em dólares. O patamar fica abaixo da expectativa de alta de 35,5% de analistas ouvidos pela agência internacional de notícias Reuters.

As importações em dólares subiram 38,1% em março na comparação com um ano antes, excedendo a alta de 23,3% prevista por analistas.

A China Eastern Airline anunciou na segunda-feira que elevará sua participação na europeia Air France KLM, após contribuir com US$1,2 bilhão sobre a emissão de ações.

Os mercados europeus têm leve tendência de alta, com o índice Eurostoxx, que reúne as ações de 600 empresas de todos os principais setores de 17 países europeus, subindo 0,24%. Ações do setor de tecnologia lideram os ganhos, com altas de 0,7%. Já as empresas de telecomunicação perdem 0,7%.

Dados oficiais publicados na terça indicam alta de 0,4% no PIB do Reino Unido em fevereiro, levemente abaixo da expectativa de economistas, de expansão de 0,6%.

A produção manufatureira aumentou 1,3%, acima da expectativa de ganho de 0,5%, enquanto a produção no setor de serviços cresceu 0,2%, abaixo das projeções de crescimento de 0,6%.

2. Agenda do dia

Na sessão desta terça-feira, o destaque fica para as vendas do varejo de fevereiro, a serem divulgadas às 9h pelo IBGE. A expectativa é de alta de 0,7% na comparação mensal, segundo consenso Refinitiv, e queda de 3,6% na comparação com fevereiro de 2020.

Nos EUA, às 9h30, atenção para a inflação de março, com expectativa de alta de 0,5% na base mensal e de 2,5% na anual. Os estoques de petróleo semanais serão divulgados pelo API às 17h30.

Às 13h, Mary Daly, Esther George e Patrick Harker, membros do Fomc (Comitê Federal do Mercado Aberto), do Fed, fazem discurso; às 16h15, é a vez de Raphael Bostic, também membro do Fomc, discursar.

Ainda em destaque, nesta terça-feira acontece, a partir das 18h30, novo painel da série Super Lives – 1 ano de pandemia. O tema é “O Novo Trabalho” e contará com a participação de Ana Carolina Azevedo (líder de RH do Google para a América Latina), Mariana Talarico (diretora de cultura e desenvolvimento da Natura&Co América Latina) e Marta Pinheiro (diretora de ESG da XP). Confira a programação completa clicando aqui.

3. Recorde na média de mortes e disputa por CPI da Covid

Na segunda (12), o Brasil voltou a bater seu recorde de mortes por Covid na média móvel de sete dias, com 3.125 casos, alta de 15% frente à média de 14 dias atrás. Em apenas um dia foram registradas 1.738 mortes.

As informações são do consórcio de veículos de imprensa que sistematiza dados sobre Covid coletados por secretarias estaduais de Saúde no Brasil, que divulgou, às 20h de segunda, o avanço da pandemia em 24 h.

A média móvel de novos casos em sete dias foi de 71.174, queda de 6% em relação ao patamar de 14 dias antes. Em apenas um dia foram registrados 38.866 casos.

23.847.792 pessoas receberam a primeira dose da vacina contra a covid no Brasil, o equivalente a 11,26% da população. A segunda dose foi aplicada em 7.391.544 pessoas, ou 3,49% da população. Analistas vêm apontando a velocidade da imunização como um dos fatores a influenciarem a retomada da economia.

Em um telefonema com Jorge Kajuru (Cidadania-GO) divulgado no domingo, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) cobra que o escopo da CPI da Covid seja ampliado para incluir governadores e prefeitos. Em um áudio vazado por Kajuru, Bolsonaro afirma que a CPI seria “completamente direcionada” a ele, e poderia terminar com um “relatório sacana”.

“Olha só, o que você tem que fazer. Tem que mudar o objetivo da CPI, tem que ser ampla. Daí você vai fazer um excelente trabalho para o Brasil“, afirma Bolsonaro a Kajuru. “Se mudar (o objeto da CPI), dez para você, porque nós não temos nada a esconder.”

Em conversa com apoiadores na segunda, Bolsonaro afirmou que Kajuru deveria divulgar mais trechos do áudio: “Não é vazar. É te gravar. A gravação é só com autorização judicial. Agora, gravar o presidente e divulgar… E outra, só para controle, falei mais coisas naquela conversa lá. Pode divulgar tudo da minha parte, tá?”.

Mais tarde na segunda, Kajuru revelou um novo trecho da gravação, durante entrevista à Rádio Bandeirantes. Nele, o presidente fala em “sair na porrada” com o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP). “Se você não participa (da CPI), daí a canalhada lá do Randolfe Rodrigues vai participar. E vai começar a encher o saco. Daí, vou ter que sair na porrada com um bosta desses”, disse Bolsonaro a Kajuru. Bolsonaro vem pressionando para que a comissão se debruce sobre ações de governadores e prefeitos.

O presidente reage à decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso, que determinou ao Senado que instale uma CPI da Covid para investigar exclusivamente ações do governo federal no enfrentamento à pandemia, como foi pleiteado inicialmente.

O senador Eduardo Girão (Podemos-CE) já obteve assinaturas suficientes para pedir uma CPI ampliada da Covid que investigaria, além de ações do governo Jair Bolsonaro, a gestão de governadores e prefeitos.

Durante solenidade de troca do Comando da Aeronáutica na segunda, o ministro da Defesa, general Walter Braga Neto, defendeu a investigação de prefeitos e governadores: “O governo federal atuou desde o início da crise, em fevereiro de 2020, e disponibilizou mais de R$ 700 bilhões para o apoio a Estados e municípios, para viabilizar o auxílio emergencial e para apoiar micro e pequenas empresas (…) O uso desses recursos por esses gestores de todas as instâncias, federal, estadual e municipal, deve ser acompanhado de perto pela população e sofrer apuração mais rigorosa para constatar os reais benefícios diretos para a sociedade”.

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), vai consultar a Secretaria-Geral da Casa para decidir se é possível investigar ações de governadores e prefeitos na CPI da Covid, disse à agência internacional de notícias Reuters uma fonte com conhecimento do assunto na segunda.

Além disso, em nota conjunta na segunda-feira, os ministérios das Relações Exteriores e da Saúde afirmaram que o Brasil vai receber em junho 842.800 doses da vacina contra Covid-19 desenvolvida pela Pfizer em parceria com a BioNTech, por meio do consórcio global de acesso a imunizantes Covax Facility, liderada pela OMS (Organização Mundial de Saúde).

Até o momento, o Brasil recebeu, como parte desta iniciativa, pouco mais de 1 milhão de doses da vacina desenvolvida em parceria entre AstraZeneca e Universidade de Oxford. Essas remessas do consórcio não fazem parte de acordos separados do governo com as empresas. A nota afirma que o Ministério da Saúde tem 42,5 milhões de doses de vacinas contratadas por meio da Covax Facility.

Também na segunda, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária informou nesta segunda-feira que a inspeção que fará em uma das fábricas da vacina contra Covid-19 Sputnik V na Rússia foi adiada em alguns dias, e agora ocorrerá no mesmo período de visita a outra fabricante do imunizante. O adiamento foi solicitado pelo Fundo Soberano Russo, responsável pela comercialização da vacina desenvolvida pelo Instituto Gamaleya, de Moscou.

4. PEC abarcaria gastos extraordinários

Em meio à disputa sobre a CPI da Covid, ganhou repercussão ontem uma possível PEC defendida por Paulo Guedes e Ministério da Economia para retirar despesas da pandemia do teto de gastos, segundo informou o jornal O Estado de S. Paulo. Seriam excluídas da regra fiscal as despesas com saúde, o BEm, o Pronampe, além de medidas tidas como emergenciais de outros ministérios. Ao todo, a medida permitiria cerca de R$ 35 bilhões em gastos fora do teto e também levaria a um maior espaço para acomodar as emendas parlamentares dos congressistas, resolvendo o imbróglio entre Executivo e Legislativo.

Contudo, integrantes do Palácio do Planalto e do Ministério da Economia acreditam que a PEC “dificilmente deve vingar”, segundo apuração da equipe XP Política. Além disso, a sugestão da PEC seria vista com desconfiança no Planalto e no Congresso, pois “não dispensaria a necessidade de veto ao Orçamento por não resolver, em tese, o problema de subestimação de despesas obrigatórias.”.

Sem peça orçamentária aprovada para 2021, o governo deve enviar na quinta-feira o Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO de 2022) com déficit primário estimado em R$ 170 bilhões, segundo informações do Valor.

O presidente do Banco Central do Brasil, Roberto Campos Neto, defendeu na segunda que o Brasil transmita uma mensagem de austeridade fiscal. Ele disse avaliar que gastos adicionais seriam contraproducentes.

“O que nós vemos hoje é que, quando se tenta um gasto adicional, a desorganização de preços que se causa no mercado tem um impacto maior no crescimento do que o dinheiro que se coloca na economia, então ele não é producente”, disse Campos Neto durante reunião de banqueiros centrais ibero-americanos.

O presidente do BC ressaltou que o Brasil tem uma tradição de “sempre exaurir graus de liberdade” na área fiscal e que, nos últimos 45 anos, só teve dois anos de equilíbrio de gastos.

“Nos outros anos nós basicamente usamos diferentes graus de liberdade. Primeiro com inflação alta, que corroía a dívida, depois com impostos mais altos e depois com emissão de dívida”, disse Campos Neto.

5. Radar corporativo

O destaque do noticiário corporativo fica para a assembleia de acionistas da Petrobras para a formação do Conselho da estatal. Entre os eleitos está o general Joaquim Silva e Luna, substituto de Roberto Castello Branco. O executivo foi demitido pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, e deixou a estatal nesta segunda-feira, 12.

A definição do conselho de administração da Petrobras estava sendo aguardada pelo mercado financeiro. Isso porque vai ficar nas mãos dos seus membros a responsabilidade de decidir possíveis mudanças de rota na gestão da empresa. Há dúvidas, por exemplo, se os novos gestores vão manter a atual política de reajustes de preços dos combustíveis e também o programa de venda de ativos da companhia, conduzidos até então por Castello Branco.

A Petrobras ainda informou que concluiu ontem a oferta de recompra de títulos globais efetuada pela sua subsidiária integral Petrobras Global Finance B.V. (PGF). O volume de principal validamente entregue pelos investidores, excluídos juros capitalizados e não pagos, foi de US$ 2,496 bilhões. O montante total pago a esses investidores foi de cerca de US$ 2,72 bilhões, considerando os preços ofertados pela Petrobras e excluindo os juros capitalizados até a data de liquidação.
Como o montante total ofertado pelos investidores na oferta de recompra ficou dentro do limite de US$ 3,5 bilhões previamente estabelecido, o volume total ofertado em cada uma das séries foi aceito.

Ainda no radar das estatais, o Banco do Brasil comunicou ontem a renúncia de Julio Cesar Rodrigues da Silva ao cargo de diretor comercial de Varejo, com efeitos a partir de hoje.

Entre outras mudanças na administração, Bruno Giardino Roschel de Araujo renunciou ao cargo de Diretor de Relações com Investidores da Cogna, passando a atuar exclusivamente como Diretor Financeiro e de Relações com Investidores da subsidiária da Companhia, Vasta Platform. O Conselho da Cogna elegeu Frederico da Cunha Villa para ocupar o cargo de Diretor de Relações com Investidores, acumulando os cargos de Diretor Financeiro e Diretor de Relações com Investidores.

A PetroRio, por sua vez, anunciou a eleição de Milton Salgado Rangel Neto ao cargo de Diretor Financeiro. Em reunião realizada em 09 de abril, o Conselho de Administração deliberou pela alteração da designação de Roberto Bernardes Monteiro, que deixa a atribuição de Diretor Financeiro, e pela eleição de Rangel Neto como Diretor Financeiro.

Já no noticiário da Oi, a companhia realiza áudio-conferência nesta terça às 11h após a companhia aceitar a proposta vinculante revisada apresentada pelo Grupo BTG para a aquisição parcial da InfraCo, divisão especializada em fibra óptica da operadora de telecomunicações em recuperação judicial.

Ainda em destaque, Cyrela, Direcional e Moura Dubeux divulgaram prévias operacionais referentes ao primeiro trimestre de 2021.

A Cyrela teve queda de 60,4% nos lançamentos do primeiro trimestre ante o mesmo período do ano passado, mas as vendas avançaram cerca de 22%. Os lançamentos de imóveis da companhia somaram R$ 421 milhões de janeiro ao fim de março ante R$ 1,065 bilhão lançado no primeiro trimestre de 2020. Na comparação com o quarto trimestre do ano passado, os lançamentos recuaram 85,3%, informou a empresa.

Já a Direcional Engenharia teve recorde de vendas nos primeiros três meses do ano. As vendas líquidas contratadas da companhia somaram R$ 515 milhões no primeiro trimestre, avanço de 73% em relação ao mesmo período do ano anterior. Segundo a empresa, março foi o melhor mês de vendas de sua história, indicando a continuidade da “forte demanda que já vinha sendo observada no decorrer de 2020”. Já os lançamentos consolidados somaram R$ 575 milhões no primeiro trimestre de 2021, salto de 311% em comparação com o mesmo período de 2020.

A Moura Dubeux teve R$ 269 milhões, valor 248% superior ao registrado no mesmo período de 2020, em vendas e adesões no primeiro trimestre deste ano. Entre janeiro e março, a companhia adquiriu sete terrenos, com VGV bruto de R$ 633 milhões. Com isso, o estoque de área da empresa foi de R$ 4 bilhões.

Por fim, após a alta de quase 10% na véspera de suas ações, o Grupo Pão de Açúcar  informo que seu controlador, o Casino, está avaliando operações de mercado para suas subsidiárias Cnova, no qual o GPA detém 34,17% do capital social, e GreenYellow, de energia renovável.

Quer entender o que é o mercado financeiro e como ele funciona? Assista à série gratuita Carreira no Mercado Financeiro e conheça o setor da economia que paga os melhores salários de 2021.

The post Os 5 assuntos que vão movimentar o mercado nesta terça-feira appeared first on InfoMoney.