(Bloomberg) — O ouro poderia bater recorde antes do fim do ano, impulsionado em parte pelos riscos em torno das eleições presidenciais nos Estados Unidos, segundo o Citigroup.

A incerteza sobre a disputa e atrasos sobre o resultado podem “ser subestimados pelos mercados de metais preciosos”, disseram analistas como Aakash Doshi em relatório trimestral para commodities. A previsão do banco implica aumento de mais de US$ 200 para os futuros do ouro em relação aos níveis atuais.

O ouro subiu para cotação recorde no mês passado em meio à corrida de investidores por ativos seguros durante a pandemia de coronavírus, mas os preços caíram desde então.

A perspectiva do Citi reflete a preocupação crescente de investidores sobre a batalha pela Casa Branca travada entre Donald Trump e Joe Biden. A disputa já complexa se complicou ainda mais com o plano de Trump de substituir rapidamente na Suprema Corte dos EUA a juíza Ruth Bader Ginsburg, que faleceu na sexta-feira.

Já se inscreveu?
Participe do maior evento de fundos imobiliários do país, de 22 a 24 de setembro – online e gratuito

A eleição “pode ser um catalisador extraordinário para o preço estável do ouro” e volatilidade no fim do quarto trimestre, embora historicamente não haja um padrão claro para a negociação de ouro ou volatilidade dos preços durante e após as eleições nos EUA, disse o Citi. “Esse é um dos motivos pelos quais esperamos que os preços do ouro atinjam novos recordes antes do fim do ano.”

Os preços mais ativos do ouro atingiram recorde de US$ 2.089,20 em 7 de agosto. Além das eleições, o Citi está muito otimista em relação ao ouro devido às baixas taxas de juros, dizendo que o metal está no meio de um ciclo altista.

As eleições presidenciais nos EUA serão realizadas em 3 de novembro.

Do Zero ao Gain: intensivo gratuito de 4 dias com André Moraes ensina como extrair seu primeiro lucro na Bolsa. Clique aqui para se inscrever

The post Ouro pode bater recorde com riscos de eleições nos EUA, diz Citi appeared first on InfoMoney.