O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), classificou como “tolerável” o modelo proposto pelo governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para privatização da Eletrobras. O Executivo assinou uma medida provisória incluindo a estatal e suas subsidiárias no Programa Nacional de Desestatização (PND) e condicionando a capitalização à aprovação da MP.

Antes de ser eleito para o comando do Senado, Pacheco tirou a privatização da Eletrobras da lista de prioridades para sua gestão. Agora, porém, após o envio da MP ao Legislativo, o presidente do Senado afirmou que o modelo proposto pelo governo não é a privatização pura e simples, mas um processo de capitalização com oferta de novas ações ao mercado, de modo que o poder público fique com 45% dos ativos totais da empresa.

Para se tornar lei e viabilizar a capitalização da empresa, a MP precisa ser aprovada pela Câmara e pelo Senado até junho. Na tentativa de facilitar a votação, o governo incluiu dispositivos na medida provisória para atender parlamentares.

Dentro do texto, estão a prorrogação por 30 anos da concessão da hidrelétrica de Tucuruí, a destinação de recursos para investimentos e a criação de uma golden share da União, permitindo ao governo poder de veto em decisões estratégicas mesmo não sendo mais o controlador da Eletrobras.

“Acho essa medida tolerável sob o ponto de vista da inteligência de mercado de conciliar a preservação de um ativo nacional que pertence a todos os brasileiros, mas que seja um ativo valorizado pela possibilidade de competitividade daquela empresa da qual a União participe”, afirmou Pacheco durante evento promovido pelos jornais O Globo e Valor Econômico. O presidente do Senado disse ser a favor do conceito de privatização, mas ponderou que é preciso avaliar caso a caso.

Você ganhou um curso de ações 100% online e ao vivo. Durante 4 aulas, André Moraes explica como faria para lucrar na Bolsa de começasse hoje. Clique aqui para assistir!

The post Pacheco diz ser tolerável modelo proposto pelo governo para Eletrobras appeared first on InfoMoney.