A Rio Tinto anunciou que o presidente de seu conselho, Simon Thompson, renunciará ao cargo devido à destruição de duas antigas cavernas rochosas na Austrália no ano passado, atendendo às demandas de alguns investidores por uma maior responsabilização pelo incidente.

Em comunicado, a empresa informou que Thompson não buscará a reeleição no ano que vem, vinculando a decisão à demolição, em maio, dos abrigos do desfiladeiro Juukan, que continham uma coleção de artefatos indicando que foram ocupados por humanos há mais de 46 mil anos.

Ele se tornará o quarto líder sênior a deixar a segunda maior mineradora do mundo por causa do incidente, depois que Jean-Sébastien Jacques foi afastado do cargo de CEO e dois outros executivos foram demitidos.

A destruição das cavernas do desfiladeiro de Juukan ilustra como as questões ambientais e culturais ganharam importância em uma indústria que luta para mudar a percepção dos investidores de que a mineração é problemática.

Alguns investidores e legisladores exigiram que as empresas mudassem a forma como lidam com os proprietários tradicionais das terras onde suas operações estão localizadas e capacitem esses grupos para levantar questões e reclamações.

Thompson está no conselho desde 2014 e é presidente desde 2018. Ele permanecerá como presidente da Rio Tinto até as assembleias anuais de acionistas no próximo ano, mas pode deixar a função antes se um substituto for encontrado.

Estagnado em sua profissão? Série gratuita do InfoMoney mostra como você pode se tornar um Analista de Ações em 2021. Clique aqui para se inscrever.

The post Rio Tinto: presidente do conselho renunciará por destruição de antigas cavernas na Austrália appeared first on InfoMoney.