OSLO (Reuters) – Seis campos de petróleo e gás offshore na Noruega foram fechados nesta segunda-feira, com mais trabalhadores entrando em greve por reivindicações salariais, disseram empresas e representantes sindicais.

A greve cortará a capacidade total de produção da Noruega em pouco mais de 330.000 barris de óleo equivalente por dia, ou cerca de 8% da produção total, de acordo com a Associação Norueguesa de Petróleo e Gás (NOG).

A disputa começou em 30 de setembro, quando um grupo de 43 trabalhadores organizado pelo sindicato Lederne entrou em greve depois que as negociações salariais fracassaram entre o sindicato e a NOG, que representa as empresas de petróleo e gás.

A escalada nesta segunda-feira acrescentou 126 sindicalistas à greve, elevando o total para 169 dos 1.003 trabalhadores offshore representados pelo Lederne.

A Noruega produz regularmente pouco mais de 4 milhões de barris de óleo equivalente por dia, metade na forma de petróleo bruto e outros líquidos e a outra metade de gás natural, o que faz do país um grande fornecedor global de energia.

A Equinor disse que fechou quatro de seus campos, enquanto o sindicato Lederne disse que dois campos operados por Neptune Energy e Wintershall também foram fechados.

A produção de Johan Sverdrup, o maior campo de petróleo em produção no Mar do Norte, não foi afetada pela greve, disse Equinor.

Neptune e Wintershall não responderam de imediato.

“Não há solução à vista”, disse um porta-voz da NOG.

“Os empregadores ainda não estão demonstrando vontade de atender nossas demandas, o que está desencadeando a escalada”, disse o chefe do sindicato Lederne, Audun Ingvartsen, em um comunicado.

Os impactos sobre a produção da Noruega ajudaram a impulsionar os preços globais do petróleo nesta segunda-feira, com o Brent subindo mais de 4% durante a manhã (horário de Brasília).

Profissão Broker: como fazer carreira na elite da bolsa da valores, mesmo saindo do zero.

The post Seis campos de petróleo na Noruega são impactados por escalada de greve no setor appeared first on InfoMoney.