Guilherme Benevides, vice-presidente de operações da Gafisa (Divulgação)

SÃO PAULO — Após um processo de reestruturação, a Gafisa (GFSA3) está preparada para voltar a ter um lugar entre as gigantes do setor imobiliário na Bolsa. Pelo menos essa é a meta defendida pelo vice-presidente de operações da companhia, Guilherme Benevides.

“A nossa intenção hoje é ter uma gestão totalmente profissionalizada, com metas muito bem definidas e com objetivo de geração de valor”, disse, em entrevista exclusiva ao InfoMoney. “A Gafisa é a maior empresa da história do mercado imobiliário brasileiro em números. A cada 130 brasileiros, um mora em um imóvel da Gafisa.”

Há cerca de dois anos, a companhia passou por um processo de encolhimento, suspensão de lançamentos, endividamento elevado e mudanças em sua administração. Em 2018, quando a GWI assumiu a empresa, boa parte da diretoria foi demitida e as obras chegaram a ser suspensas. De lá para cá, a nova gestão da Gafisa promoveu aumentos de capital e tem conseguido melhorar indicadores financeiros — mas ainda há um longo caminho a ser percorrido.

“A gente quer voltar a estar entre as três maiores empresas [do setor imobiliário] listadas. Isso é uma meta da companhia. A gente quer devolver a Gafisa ao lugar de onde ela nunca deveria ter saído. A Gafisa por muitos anos foi a maior empresa do setor. Dos 66 anos de história da Gafisa, em muitos ela foi a líder do mercado”, afirmou Benevides.

Só em 2020, a empresa entregou 12 obras, com 2.100 unidades. Ela ainda não está sendo lucrativa, e seu prejuízo cresceu no terceiro trimestre, mas segundo o vice-presidente de operações da companhia, a Gafisa “está se preparando para dar lucro o quanto antes”.

Ele falou ainda sobre fusões e aquisições, estratégia de negócio voltada às classes mais altas, melhora das condições de mercado, maior maturidade dos compradores, concorrência, entre outras coisas. Confira abaixo os principais trechos da entrevista com o vice-presidente de operações da Gafisa, Guilherme Benevides.

InfoMoney: De que forma a Gafisa foi impactada pela pandemia de coronavírus e quanto ajudou a companhia o fato de a Selic ter caído tanto?

Benevides: Para a companhia foi um ano obviamente atípico. A gente começou o ano como todas as empresas do setor com otimismo, um ano que seria de grande retomada para o mercado imobiliário. As empresas tiveram que se adaptar de muitas formas. Adotamos o home office, por exemplo.

Tanto a taxa Selic, a menor da história, quanto a oferta de crédito no mercado e, uma coisa que eu venho pontuando, a própria pandemia em si, com as pessoas ficando em casa, olhando para dentro e ficando mais com a família, isso tudo fez com que muitas pessoas tomassem a decisão de comprar um imóvel.

Então, acho que tinha um grupo grande de represamento de pessoas que tinham essa dúvida sobre comprar ou não comprar um imóvel. E com esse olhar para dentro, com essa questão de ficar em casa e com todas as facilidades de taxa e de oferta de crédito fizeram com que o mercado [imobiliário] realmente tivesse uma reação melhor do que outros mercados.

Eu acredito que tenha sido uma grata surpresa ao setor. Obviamente que infelizmente tem toda a tragédia da pandemia, que é péssimo para todo mundo, mas foi uma surpresa para o mercado [imobiliário] essa não queda, vamos chamar assim, das vendas. Alguns nichos, inclusive, houve uma grande melhora.

Eu acho que a Gafisa passou bem por esse desafio. Foi um ano onde ela terminou a reestruturação dela e começou a fase de crescimento. A Gafisa já vinha desde 2018 sem nenhum lançamento, então foi um ano marco para nós.

InfoMoney: Os descontos praticados pelas companhias do setor imobiliário ajudaram a “segurar” as vendas durante a pandemia?

Benevides: Eu não enxergo que teve uma queda nos preços. O que eu enxergo é que o nicho que mais cresceu, e a gente tem acompanhado isso, é o nicho do Minha Casa, Minha Vida, o que mostra de fato um grande represamento nos últimos anos. O mercado imobiliário nos últimos cinco anos sofreu muito, foi um dos setores que mais sofreu, e tinha sim muito represamento em todos os níveis e faixas sociais.

Ainda tem, na verdade. E eu acho que todas essas condições de taxas, oferta de crédito e a questão da valorização do imóvel pela questão pessoal, isso facilitou com que as vendas continuassem acelerando. Sobre preços, eu não acho que eles caíram. Você imagina o seguinte: há pouco tempo a gente falava em taxas de 9%, 10%, 12%. Então, realmente hoje temos uma taxa muito atrativa.

Não é uma taxa que vai se manter por muito tempo. Isso é também uma questão que as pessoas estão olhando como oportunidade: tomar um financiamento agora. Não acredito em baixa de preço. Na verdade, os preços se estabilizaram e a gente vê até um crescimento, uma sustentação e um crescimento contínuo nos preços, principalmente nas regiões mais nobres.

Eu não vejo a questão do desconto como a gente tinha no passado, os grandes feirões, eu não acho que é o momento para isso agora. É o momento de estabilidade de preço e até ganho de preço nas regiões mais nobres.

InfoMoney: Como a empresa vê o aumento do desemprego e a perda de renda das pessoas? Isso atinge negativamente o setor imobiliário, não? Como vocês imaginam que a inadimplência vai se comportar em 2021?

Benevides: Em relação à taxa de desemprego, ela já vinha vindo alta. Existe um reflexo, com certeza, mas ela já vinha alta. Se a pandemia não tivesse acontecido, a gente teria uma melhora ainda muito maior do que a gente esperava. Então, sobre esse ponto, não [devemos ser negativamente afetados].

Com relação à inadimplência, eu acho que o mercado aprendeu muito, e os clientes também, com todos os distratos que vivemos no ano passado, com tudo o que a gente viveu de ter compras onde a pessoa realmente estava comprando [um imóvel] sem ter muita análise crítica [de condições de pagamento]. Isso acabou. Eu acredito muito que hoje quem está assumindo um financiamento, quem está comprando um imóvel, ele tem a certeza do que ele está fazendo.

Então, eu acho que existe uma maturidade um pouco maior tanto dos clientes quanto das incorporadoras sobre essa venda. Eu vejo que a questão dos distratos e de inadimplência vai continuar com uma média histórica natural, não mais um reflexo do que a gente teve nos últimos anos, com um grande número de distratos.

Obviamente a nova lei dos distratos também ajuda tanto o vendedor quanto o comprador. Ou seja, se o vendedor estiver inadimplente, ele é muito penalizado, mas se ele estiver adimplente com as obrigações do contrato quem é penalizado é o comprador. Então eu acredito que isso também ajudou demais o setor.

As empresas que conseguirem cumprir com suas obrigações, elas vão estar muito mais respaldadas em seus contratos do que anteriormente. Eu vejo que com a nova regulamentação dos distratos e uma conscientização maior desse comprador que está tomando crédito para comprar um imóvel, eu vejo um mercado bem mais maduro do que há quatro, cinco anos.

InfoMoney: A empresa tem algum guidance de lançamentos?

Benevides: A gente não costuma divulgar guidance, mas o que eu sempre tenho dito nos nossos calls é que a gente tem hoje em torno de R$ 1,5 bilhão a R$ 2 bilhões em VGV [Valor Geral de Vendas] em aprovação de projetos ou aprovados já, e a gente vai colocar esses produtos no mercado no prazo de 12 a 18 meses. Ou seja, não é um guidance, mas existe uma intenção de a gente trabalhar esses lançamentos dessa forma, com prazo médio de 18 meses.

InfoMoney: A Gafisa tem foco maior na classe média alta e alta. Foram classes menos atingidas pela crise. Vocês pretendem manter esse foco ou também destinar esforços para empreendimentos mais acessíveis nos próximos anos?

Benevides: Na verdade, a gente tem uma linha que chama Move, é um step acima do Minha Casa, Minha Vida, com um ticket de R$ 250 mil a R$ 600 mil por apartamento. A gente tem projetos nessa linha e continua estudando negócios nessa linha.

Mas realmente o foco maior da companhia são produtos de médio, médio alto e alto padrão. Hoje a gente tem um foco mais voltado para esse público. A gente está inclusive melhorando os nossos produtos e agregando valor aos nossos projetos com o aperfeiçoamento deles.

Os que a gente tem comprado são projetos que flutuam na ponta com preços acima de R$ 10 mil, R$ 11 mil o metro quadrado, a gente tem olhado mais para projetos de classe média alta. O Minha Casa, Minha Vida, a gente não atua, não temos perspectiva de atuar.

InfoMoney: A separação da Tenda em 2017 é considerada acertada pela empresa?

Benevides: Esse movimento foi feito antes da nova gestão. O que a nova gestão tem como direcionamento é que a gente entende que hoje a gente quer focar no médio, médio alto e alto padrão. Hoje para nós não seria interessante ter uma estrutura de empresa para Minha Casa, Minha Vida. Independentemente do que foi feito na gestão passada, a nova gestão entende como estratégia que a gente não tem esse direcionamento.

InfoMoney: E como vocês estão vendo a concorrência? Eles também tiveram crescimento de vendas na pandemia.

Benevides: A gente quer voltar a estar entre as três maiores empresas [do setor imobiliário] listadas. Isso é uma meta da companhia. A gente quer devolver a Gafisa ao lugar de onde ela nunca deveria ter saído. A Gafisa por muitos anos foi a maior empresa do setor. Dos 66 anos de história da Gafisa, em muitos ela foi a líder do mercado.

Ela sempre foi a pioneira em várias ações, em projetos, em produtos, em marketing. É uma meta da nova gestão voltar a ter essa posição, obviamente de uma forma muito mais moderna. A Gafisa passa a se tornar uma grande plataforma completa de produtos e serviços imobiliários e não mais uma incorporadora e construtora. A gente está se colocando numa empresa moderna.

Com relação à concorrência, falando das dez maiores do setor, realmente todas elas tiveram crescimento de vendas, todas elas estão bem posicionadas no mercado, fizeram a lição de casa e a gente está fazendo a nossa. A concorrência é bem-vinda, é saudável e a gente está muito atento aos nossos concorrentes. Mas de qualquer forma, a gente está no nosso planejamento, na nossa estratégia, nos transformando numa grande plataforma.

InfoMoney: Recentemente saíram notícias sobre uma possível fusão com a Tecnisa. Qual a expectativa da Gafisa em relação a isso?

Benevides: Existem conversas entre as empresas. A gente de maneira alguma quer fazer uma fusão de forma forçada. A gente queria unir forças mesmo porque entendemos que as duas empresas podem ter uma grande sinergia de operações e agregar valor uma para a outra.

Essa operação esfriou, obviamente, mas não é uma coisa que está totalmente fora do nosso radar. A gente continua entendendo que a Gafisa pode crescer de duas formas: de forma orgânica e inorgânica. Uma não anula a outra.

Então, a gente tem olhado para várias oportunidades, assim como a gente enxergou uma oportunidade na Tecnisa a gente tem também olhado para outras oportunidades, e crescendo de forma orgânica. Não está fora do radar da companhia fazer fusões e aquisições para crescimento de forma não orgânica.

InfoMoney: A companhia tem caixa suficiente para fazer essas aquisições? Tem opções na mesa para fazer novas captações?

Benevides: Aí é analisar cada negócio. Temos uma estrutura de capital para cada negócio. O que a gente entende é que se a gente achar que existe uma operação que gere valor para a companhia e que seja uma operação que de fato agregue para nós, a gente vai buscar uma estrutura de capital para fazer essa operação.

InfoMoney: Como a empresa pretende aumentar o número de investidores pessoas físicas que têm ações da Gafisa na Bolsa?

Benevides: A nossa intenção hoje é ter uma gestão totalmente profissionalizada, com metas muito bem definidas e com objetivo de geração de valor. A Gafisa é a maior empresa da história do mercado imobiliário brasileiro em números. A cada 130 brasileiros, um mora em um imóvel da Gafisa. Ela é conhecida em todos os cantos do Brasil.

Obviamente num momento em que temos a Bolsa crescendo, investidores pessoas físicas entrando e investindo na Bolsa, entendendo que a Bolsa é na verdade uma poupança de longo prazo, com uma nova educação desse investidor pessoa física, com certeza a Gafisa entra no radar. Isso por ser uma empresa com 66 anos, por ter uma tradição muito forte, por ter o peso da marca que ela tem e pela resiliência da companhia.

Independentemente do investidor, seja o acionista majoritário, sejam os pequenos investidores pessoas físicas, a nossa missão aqui é gerar valor para eles. Isso está muito no nosso radar, é nossa grande missão.

InfoMoney: O prejuízo da empresa aumentou no terceiro trimestre, apesar de a Gafisa ter registrado aumento das vendas e das receitas. Quando a companhia vai voltar a dar lucro?

Benevides: A gente ainda tem uma série de ajustes a serem feitos, que estão sendo feitos. A gente tem como expectativa, eu não posso falar exatamente quando a gente vai voltar a dar lucro, mas obviamente este é o grande objetivo da companhia. A gente ainda está ajustando a casa.

Independentemente do prejuízo, a gente está vendo vários pontos positivos do balanço, como por exemplo a dívida sobre o patrimônio líquido, o aumento de 250% nas vendas. Tem vários índices no balanço que mostram a recuperação da companhia e o quanto a gente já avançou na nova gestão e a gente está se preparando para dar lucro o quanto antes.

Este ano estamos entregando 12 obras, com 2.100 unidades. É um indicador muito importante do retorno da Gafisa. Quando a nova gestão entrou na companhia ela tinha todas as suas obras paralisadas. A gente retomou com muita força a parte de construção e engenharia da Gafisa que sempre foi historicamente muito sólida.

Quer receber aluguel sem ter imóvel? Thomaz Merluzzi, estrategista de Fundos Imobiliários da XP, oferece treinamento gratuito para quem busca uma fonte de renda passiva – inscreva-se já!

The post “Vamos devolver a Gafisa ao lugar de onde ela nunca deveria ter saído: líder do setor”, diz vice-presidente de operações appeared first on InfoMoney.